BA: 700 famílias e três acampamentos do MST são atacados no norte da Bahia


Helicóptero foi usado em ação de guerra feita pela polícia contra camponeses na Bahia. Fotos: Comitê de Apoio ao AND

Na madrugada do dia 25 de novembro, aproximadamente 700 famílias camponesas que viviam desde 2007 nos acampamentos Abril Vermelho, Acampamento Dorothy e Acampamento Irany, nos municípios de Casa Nova e Juazeiro, foram despejadas violentamente numa ação de guerra promovida pelo Comando de Operações Táticas (COT), a Coordenação de Aviação Operacional (CAOP), a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Corpo de Bombeiros Militar e a Polícia Militar (PM).

Leia também: ‘GLO do campo’: Bolsonaro e generais querem usar Exército para atacar camponeses

Durante a invasão, que teve início às 4h30 da madrugada, os policiais e paramilitares agrediram trabalhadores com spray de pimenta e devastaram as casas e plantações. Eles destruíram ainda uma escola usada pela comunidade que atendia mais de 100 crianças e adultos matriculados em três turnos diários. Há denúncias de camponeses feridos e uma criança de 3 anos de idade ficou com hematomas pelo corpo.


Camponês ferido em despejo violento. Foto: MST

“Chegaram atirando, tem um companheiro baleado na cabeça!”, afirmou uma testemunha. Entidades democráticas e apoiadores foram impedidos de chegar ao local para prestar auxílio.

O ataque atingiu a área que possui mais de 1,7 mil hectares (19 lotes). A produção das famílias é fundamental para a geração de empregos nas cidades próximas. Em toda a região, os camponeses produziam mais de 7 mil toneladas de alimentos por ano, o que gera trabalho e renda para mais de 5 mil famílias.

Em 2012, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) entrou com uma ação judicial afirmando ser proprietária da área que seria destinada a um projeto de irrigação. De acordo com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), o projeto foi abandonado há anos, sendo essa a razão para os camponeses produzirem na área.


Moradias de camponeses são demolidas. Foto: MST

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin