Chile: Policiais promovem abusos, sequestros e agressões contra mulheres ativistas

A- A A+

Imagem: Reprodução

Carolina Muñoz, jovem chilena, foi sequestrada no dia 22 de novembro de manhã pela polícia militarizada chilena (carabineros) e não se sabe ainda sobre o seu paradeiro. Amigos e familiares da jovem acusam o governo genocida chileno de não dar informações a respeito da sua situação.

Manifestantes gravaram um vídeo no último momento em que Carolina foi vista, que mostra a jovem tentando impedir que o camburão da polícia circulasse pela manifestação e, depois, mostra ela sendo agredida por quatro carabineros, e sendo levada presa no camburão da polícia.

Caso parecido com o de Carolina é o da jovem atriz Daniela Carrasco, que foi sequestrada em outubro, durante o “estado de exceção” decretado por Sebastián Piñera, e apareceu morta cinco dias depois, pendurada pelo pescoço em um terreno baldio perto da casa onde morava, e com sinais de violência sexual em seu corpo.

No mesmo dia em que Carolina foi sequestrada, mais uma jovem foi vítima de uma prática comum de tentativa de intimidação pela polícia militar chilena: antes de a deterem, os carabineros tiraram sua roupa em plena manifestação enquanto a mantinham no chão. 

Espancamento de jornalista

Outra jovem, chamada Javiera, que já foi obrigada a ficar nua à frente de policiais chilenos duas vezes desde o começo das manifestações, conta como se deram os acontecimentos. Javiera trabalha com direitos humanos na Universidade de Temuco, informando e documentando a situação dos manifestantes quando são detidos pelos carabineros chilenos. No dia 21 de novembro, ela mesma foi detida em uma manifestação enquanto exercia sua profissão, e foi obrigada a passar por todos tipos de humilhação. 

“Eu estava fazendo meu trabalho quando vi uma mulher, que estava sendo espancada pelos carabineros com um escudo. Era uma mulher mais velha que estava perguntando por seu filho. O menino não estava envolvido nas manifestações, mas eles o levaram embora”, diz ela, explicando como veio a ser detida.

Ela conta que, nesse momento em que ela fora defender a senhora que estava sendo agredida, começou uma brutal repressão policial: “Todas as pessoas começaram a correr aterrorizadas por todo o lado e eu estava lá defendendo a mulher, até que o policial me disse: ‘mãos para cima’, e mantiveram a ordem apesar de eu lhes ter dito que era jornalista dos direitos humanos. Desde que fui detida até ser liberta, nunca confirmaram se eu era mesmo jornalista”.

No momento da sua detenção, Javiera foi levada em um camburão da polícia por cinco carabineros, e foi espancada a socos por estes soldados. Na delegacia, ela ainda foi obrigada a ficar nua por duas vezes.

Fotógrafa que capturava imagens de repressão policial é assassinada a facadas

Na tarde do dia 21 de novembro, a fotojornalista chilena Albertina Martínez Burgos foi encontrada morta em seu apartamento. Seu corpo havia sido ferido com arma branca, e havia indícios de golpes.

Martínez registrava a repressão e o abuso de mulheres por parte dos carabineros durante os protestos contra o governo de Sebastián Piñera. De acordo com a imprensa local, seu parceiro pediu a sua mãe para ir ao apartamento de Albertina, pois ele não tinha ouvido falar dela por várias horas. Quando ela foi ao local, encontrou a jovem sem vida.

De acordo com relatos de familiares, vários dos seus instrumentos de trabalho, como sua câmera, seu computador e seu material fotográfico foram roubados do seu apartamento.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza