MA: Camponeses comemoram a soltura dos presos políticos do governo Flávio Dino/PCdoB

A- A A+

Foto: Diário de Luta

No último dia 30 de novembro, o movimento Fóruns e Redes de Cidadania, em conjunto com as associações comunitárias dos povoados de Arari, realizou uma pequena comemoração à soltura dos quatro camponeses Laudivino, Emilde, Joel e Edilson, presos por 72 dias por derrubar cercas criminosas na região da Baixada maranhense.

Nas falas dos companheiros, foi ressaltada a necessidade de continuar a luta de forma ininterrupta. Eles apontaram que a prisão não desanimou ou abateu a nenhum deles e ressaltaram que estão mais fortes e decididos a lutar contra as cercas, o latifúndio e o governo conivente com a grilagem de terra. Também foi ressaltada a importância dos atos em seu apoio por entidades democráticas Brasil afora, como os organizados pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo), a Liga dos Camponeses Pobres (LCP), a CSP-CONLUTAS, a Associação Brasileira dos Advogados do Povo (abrapo) e outras. Os camponeses ressaltaram que com uma grande união de forças nacionais em solidariedade é possível enfrentar o arbítrio, a violência e as injustiças do Estado.

Trechos da matéria Milhares se mobilizam para exigir liberdade aos lavradores da Baixada maranhense foram lidos na plenária destacando o papel da imprensa popular no rompimento do cerco feito pela máquina de propaganda do governo do estado. Os camponeses sentiram-se felizes em ver suas fotos num jornal de circulação nacional como o AND, e pediram por várias cópias "para emoldurar".

Foto: Diário de Luta

O advogado do movimento, Iriomar Teixeira, que esteve pelo Brasil no período das campanhas nacionais, ressaltou que a simples menção da GLO (Garantia da Lei e da Ordem) para o campo bastou para que o judiciário maranhense, historicamente um dos mais vinculados ao latifúndio e à grilagem de terra, expedisse uma decisão proibindo aos camponeses do povoado de Santa Maria (Urbano Santos) de roçar sua terra, autorizando a polícia de usar "todos os meios" para repressão em caso de descumprimento dessa decisão.

Apesar disso, o clima não foi cabisbaixo, mas de sede pela conquista dos direitos democráticos à terra. Um dos camponeses libertos, Emilde, fez questão de lembrar na plenária de como, em seu depoimento, respondendo à pergunta do juiz da comarca: "Porque os camponeses resolveram derrubar as cercas?". Ele afirmou categoricamente que o juiz, a promotora e o delegado de polícia sempre serviam aos grileiros, fazendeiros e latifundiários, e não ao povo camponês da Baixada.

É nesse espírito de confrontamento que o movimento reafirmou sua posição de luta intransigente, mesmo com as chantagens e intimidações do Estado brasileiro. Aos sons do tambor de crioula e com a mesa farta de churrasco de carne do porco caboclo da região, os camponeses de Arari celebraram sua liberdade.

Foto: Diário de Luta

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja