Irã: Povo se rebela nos maiores protestos em 40 anos

A- A A+


Manifestantes constroem barricadas no centro da cidade de Isfahan. Foto: AFP

Grandes protestos foram deflagrados em todo o Irã, após o velho Estado anunciar, no dia 15 de novembro, aumento em pelo menos 50% no preço da gasolina. Este fato, somado à profunda crise econômica causada, entre outros motivos, pelas sanções econômicas impostas pelo USA, despertou a rebelião das massas que, em resposta, saiu às ruas, bloqueando estradas e destruindo edifícios oficiais do Estado.

De acordo com as “autoridades” iranianas, 140 prédios do governo, 731 bancos, mais de 50 bases policiais e militares, 183 carros da polícia e aproximadamente 70 postos de gasolina foram incendiados durante os protestos. Essas notícias só vêm à tona agora, devido ao corte da internet no país provocado pelo governo burguês-latifundiário iraniano, como tentativa de frear os protestos.


Manifestantes queimam banco durante protestos combativos. Foto: Nazanin Tabatabaee, West Asia News Agency, via Reuters

Os protestos eclodiram em 29 das 31 províncias iranianas, e a imprensa oficial do Irã informou que vários membros das forças de repressão foram mortos e feridos durante os confrontos. Ao todo, entre 180 a 450 manifestantes foram mortos em quatro dias após o anúncio do aumento dos preços, com pelo menos 2 mil feridos e 7 mil detidos, de acordo com entidades internacionais e jornalistas locais.

Com cerca de 200 mil pessoas protestando, estes são provavelmente os maiores protestos no Irã desde a derrubada do monarca Mohammad Reza Pahlavi em 1979.

Detalhes sobre o que aconteceu exatamente durante esses protestos recentes são escassos. Provas em vídeo e depoimentos de testemunhas apontam para o uso generalizado de armas de fogo disparadas contra manifestantes, bem como o uso da polícia de choque para espancar as massas. Enquanto o “líder supremo” iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, acusa todos manifestantes como criminosos e agentes do USA, Arábia Saudita e Israel, um relatório apresentado ao parlamento iraniano diz que a maioria dos manifestantes sob custódia eram pobres ou desempregados.


Manifestantes explodem um posto de gasolina diante da alta nos preços do combustível. Foto: Ebrahim Noroozi/Associated Press

Interferência imperialista

Apesar da tentativa de generalizar todos os manifestantes, o país imperialista realmente tenta insuflar a instabilidade no Irã, e não seria a primeira vez que os ianques tentam interferir no país. Como citado no portal de jornalismo revolucionário Incendiary News, em 1953 a CIA ajudou a orquestrar um golpe contra o primeiro-ministro iraniano Mohammad Mosaddegh em favor do regime monárquico de Mohammad Reza Pahlavi.

Já em 1983, a CIA passou uma lista de “colaboradores” soviéticos para o governo Ruhollah Khomeini, resultando na dissolução do partido “comunista” revisionista iraniano, e a expulsão dos diplomatas soviéticos.

Em 2000, a CIA forneceu dissimuladamente ao Irã planos errôneos para uma ogiva nuclear, em um esforço para atrasar seu programa nuclear e justificar qualquer possível ação militar que pudesse acontecer no futuro.

As sanções do USA só pioraram o aprofundamento da crise econômica no Irã. Em maio de 2018, o presidente do USA Donald Trump, indo contra as políticas internacionais previamente estabelecidas, retirou-se de um acordo com o Irã que havia barrado seu desenvolvimento de armas nucleares. Na sequência desta retirada veio uma nova política em novembro desse ano de “pressão máxima” através de tarifas avassaladoras destinadas a esmagar a economia do Irão e a sua dependência das exportações de petróleo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja