PR: Servidores ocupam assembleia contra a ‘reforma’ da Previdência; polícia deixa feridos

A- A A+

No último dia 3 de dezembro, servidores públicos e trabalhadores da educação de Curitiba e do interior do estado enfrentaram um duro cerco policial durante ocupação da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), em protesto contra a proposta de aplicação da “reforma” da Previdência aos servidores estaduais. A repressão resultou em pelo menos duas pessoas feridas e outras quatro detidas.

Foto: Reprodução

A ocupação ocorreu após ato em que milhares de manifestantes foram às ruas de Curitiba contra as medidas propostas pelo governo de Ratinho Jr., referentes principalmente à aposentadoria dos servidores públicos. Além disso, também foram levantadas pautas como a data-base, o fechamento de turmas noturnas do Ensino Estadual e a falta de reajuste salarial da categoria. 

A manifestação teve início de manhã, com uma grande concentração na praça 19 de Dezembro, no Centro Cívico, com cerca de 2 mil pessoas, entre professores, alunos e servidores públicos, tanto de Curitiba quanto do interior do estado. Mais de 50 ônibus vieram de cidades como Cascavel, Londrina, Paranavaí, Maringá, dentre outras. 

Foto: Reprodução

Por volta das 11 horas, os manifestantes marcharam em direção ao Palácio do Iguaçu e à Alep onde aconteceria a aprovação do texto referente às mudanças da Previdência estadual. No local, a segurança da Assembleia divulgou que seriam distribuídas apenas 250 “senhas” para entrada no prédio, o que causou indignação generalizada entre os já quase 5 mil servidores presentes, que começaram a se organizar para entrar e implodir a sessão. 

Impedidos de acompanharem a votação que atingia seus interesses pela repressão, os manifestantes não se intimidaram e forçaram a entrada na plenária, derrubando o portão da Alep e lotando as bancadas. Derrubaram também a principal porta de acesso à sessão, mas foram impedidos de entrar pelo forte policiamento que se estruturava no local. A Polícia Militar (PM), num ato covarde de repressão, usou gás de pimenta e bombas de efeito moral contra os manifestantes, mesmo dentro das dependências do prédio, tornando necessário atendimento médico a várias pessoas. Após o confronto, a sessão foi suspensa e alguns servidores permaneceram acampados em frente a Alep, enquanto outros mantiveram a ocupação do prédio.

Foto: Reprodução

Greve dos servidores da educação

A greve dos servidores estaduais da educação teve início no dia 2 de dezembro, com paralisação parcial dos servidores. Segundo levantamento da APP-Sindicato, cerca de 80% das escolas estaduais aderiram à greve. No dia 3, além da manifestação, os professores também realizaram uma assembleia, em que votaram pela continuidade da greve e entraram em estado de assembleia permanente.

Um professor de Francisco Beltrão expressou sua indignação com a direção de centrais sindicais conciliadoras, colocando também que o servidor público não deve pagar as contas da ingerência desse velho Estado. “O servidor publico está sendo apontado como vilão da crise do estado, sabemos que é falacioso, o único caminho que temos é a mobilização, a greve, essa luta”, disse ele. Também foi apontada pelo professor a questão do fechamento de perícias médicas nas regionais, forçando os servidores a se deslocarem até a capital para obter o serviço.

Outra professora, representante da APP-Sindicato, também se manifestou com relação à importância da adesão da categoria “nessa luta tão importante, que é com certeza a mais agressiva no campo dos direitos dos trabalhadores”. A professora disse que “é nosso dever hoje como servidores estar na rua garantindo o direito das próximas gerações, da nossa e principalmente dos que já lutaram, frente a essa brutal reforma”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza