PA: Policiais atiram em camponeses à queima-roupa com balas de borracha

A- A A+

Banco de dados AND

Policiais militares à atiraram queima-roupa com balas de borracha contra camponeses que trabalham e moram no acampamento Osmir Venuto (antiga fazenda Surubim), localizado no distrito Gogó da Onça, em Xinguara, Pará, no dia 2 de dezembro. Os militares pertencem à patrulha rural do 23º Batalhão da Polícia Militar (PM).

O vídeo flagrando a ação covarde dos militares foi gravado pelos próprios camponeses. As imagens mostram o grupo de trabalhadores andando pela mata carregando sacos de castanhas quando são surpreendidos por três policiais fortemente armados. Estes mandam os camponeses colocarem as mãos na cabeça, mas os trabalhadores se recusam e dizem: “Não somos ladrões, somos trabalhadores”; então os policiais dispararam deixando cinco feridos.

Os camponeses se recusaram porque é de praxe, em abordagens como essa, os policiais e paramilitares roubarem a produção carregada pelos agricultores, dispensando-lhes ainda pancadas e toda sorte de agressões físicas.

Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), os camponeses registraram o caso na Delegacia Especializada em Conflitos Agrários (Deca) e descobriram que não havia mandado judicial para a realização da abordagem. Os trabalhadores ainda denunciaram que sequer passaram pelo exame de corpo de delito.

Banco de dados AND

Polícia age em conjunto com latifundiários e pistoleiros

Há uma suspeita de que os policiais tenham agido em conluio com grandes fazendeiros e pistoleiros da região.

De acordo com uma testemunha que preferiu falar em anonimato para o jornal Brasil de Fato - pois está sendo ameaçada de morte após denunciar grilagens de terras na região -, todos sabem que a PM de Xinguara e do município vizinho, Eldorado dos Carajás, trabalha em conluio com pistoleiros da região. A pessoa relatou que tantos os pistoleiros quanto os policiais roubam as castanhas dos camponeses, além de agredirem e matarem os pequenos agricultores locais.

A testemunha contou ainda que, dessa vez, os camponeses foram agredidos pois se recusaram a entregar as castanhas aos policiais que trabalham sob a ordem do latifundiário da fazenda Surubim, Almikar Farid Yamim. “Os companheiros estavam saindo da mata e a polícia estava esperando por eles. A PM estava cumprindo esse trabalho para eles, para a fazenda”, afirmou.

A pessoa entrevistada prosseguiu dizendo que pistoleiros foram vistos conversando e comemorando a agressão dos camponeses. “Hoje eles estavam no Gogó da Onça [os pistoleiros], parece que eles estavam dando gargalhada relembrando o fato que ocorreu e falando: ‘Enquanto o dinheiro mandar, ‘nós’ tá com o juiz, polícia, comando, nós estamos com o poder no bolso, porque quem está no poder é Bolsonaro’”.

“Dessa vez os camponeses decidiram que não, que os trabalhadores não iam mais entregar a castanha, porque a castanha é difícil para você sair colhendo, caçando um ouriço aqui, outro ouriço ali. Depois você corta os ouriços todos para tirar a castanha de dentro para você trazer para casa para vender, para pôr o alimento na mesa para os filhos e simplesmente esses bandidos virem e tomarem”, disse.

Área Pública

A vara Agrária de Marabá, em fevereiro de 2018, deu decisão favorável aos camponeses no que tange à colheita de castanha na fazenda Surubim.

O juiz Amarildo Mazutti justificou sua decisão ao alegar que o proprietário da fazenda só apresentou o georreferenciamento de 13,5 mil hectares da propriedade, que ele diz ser de de 22 mil. Com isso, a parte da fazenda fora do georreferenciamento ficou reconhecida como área pública.

Histórico de violência na região

A região Sul do Pará foi palco de diversas chacinas realizadas pelas forças de repressão do velho Estado.

Em 17 de abril de 1996, em uma ação de “reintegração de posse”, 150 policiais sem identificação assassinaram 19 camponeses e feriram 69 em Eldorado dos Carajás, no episódio que ficou conhecido como “Massacre de Eldorado dos Carajás”. Na ocasião, os trabalhadores estavam ocupando uma área próxima a fazenda Macaxeira.

Outro episódio de repercussão nacional foi a chacina de Pau D’Arco, no dia 24 de maio de 2017, evento em que dez camponeses foram executados a sangue frio por policiais militares, na fazenda Santa Lúcia, na cidade de Pau D’Arco, no sudoeste do Pará. O filme produzido pelo jornal A Nova Democracia, Terra e Sangue: Bastidores do Massacre em Pau D'Arco, trata sobre o episódio.


Sepultamento das 19 vítimas do massacre de Eldorado dos Carajás no cemitério de Curionópolis. Foto: João Roberto Ripper


Camponeses, sobreviventes e parentes das vítimas da chacina de Pau D’Arco fazem protesto exigindo justiça. Foto: Mário Campagnani

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza