PA: Indígenas, quilombolas e ribeirinhos fecham a PA-263 contra os crimes e ampliação de hidrelétrica

A- A A+

Banco de dados AND

No dia 2 de dezembro, cerca de 300 manifestantes realizaram o fechamento da rodovia PA-263, entre Breu Branco e Tucuruí, sudeste do Pará.

O fechamento teve início às 9h e acabou por volta das 13h, após conseguirem o agendamento nova reunião com o Ministério Público, que anteriormente estava marcada para o dia 02/12, porém havia sido adiada. O grupo que faz parte da Associação das População Atingidas pelas Obras do Rio Tocantins (Apovo), foram afetados pela construção da Hidrelétrica de Tucuruí e exigem o pagamentos das indenizações aos expropriados; compensação aos atingidos pela jusante e pelo uso da areia da Praia Gaviões.

A Hidrelétrica de Tucuruí, inaugurada em 1984, conta com uma proposta de ampliação, o que afeta novamente as populações que dependem da pesca para a sobrevivência temem que o pouco peixe que sobrou no rio venha a desaparecer com as obras necessárias para aumentar os trechos navegáveis do rio Tocantins. Além disso, as construções podem também ser danosas à flora e fauna, além de poder aumentar a incidência de malária na região, segundo o Relatório de Impacto Ambiental da obra.

Audiências públicas em forma de consulta foram convocadas pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), essas têm sido feitas para legitimar a ação do estado, que as considera como parte do processo de consulta às populações afetadas, o que não é consenso. No dia de julho, em Baião (PA) enquanto acontecia a última das 5 audiências propostas, parte dos presentes se retiraram por não concordarem com a obra e o impacto socioambiental que causará para a região.

“Quando eles falam, eles falam que o impacto vai ser passageiro. Que vai ser rápido. Mas essa rapidez aí, ela consegue devastar e nunca mais ser como era. Na época da barragem [de Tucuruí] foi rápido, quando fecharam o impacto foi rápido, mas ele deixou uma sequela para sempre”, afirma Ademar Ribeiro, dirigente da Apovo em entrevista concedida ao portal Amazônia Real.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza