BA: Camponeses resistem a expulsão no acampamento Belo Monte

A- A A+


Manifestação contra os despejos realizada em frente ao Fórum de Jeremoabo. Foto: MST

No dia 5 de dezembro, o acampamento Belo Monte, localizado entre as cidades de Jeremoabo e Canudos na região Nordeste da Bahia, foi invadido por viaturas da Polícia Militar com o objetivo de realizar um despejo.

O acampamento que existe desde 2018, é resultado da ocupação da chamada Fazenda Tupipan, área abandonada durante anos, sem cumprir a função social, e com fortes indícios de se tratar de grilagem de terras. 

O mandado foi emitido a cerca de um mês, desde então diversas ações vêm sendo realizadas na região para conscientizar, mobilizar e apresentar aos moradores os frutos da luta pela terra na região. No dia 30 de novembro, mais de 15 mil quilos de alimentos foram entregues à população e ao asilo Vicentino, também localizado na cidade, que recebeu mais de oito mil quilos. 

Decorrente dessa ação, foi realizada no dia 03 de dezembro uma grande manifestação de denúncia em frente ao Fórum Doutor Jonas de Carvalho Nunes que contou com a presença dos moradores de Jeremoabo.

O acampamento foi invadido, também esse ano, por pistoleiros fortemente armados. Durante o ocorrido, as famílias foram alvejadas por tiros de pistola, escopeta e foi entregue um falso documento de reintegração de posse.

Em menos de um mês, esta é a 4º área notificada com uma liminar de despejo só no Estado da Bahia. A área tem apenas um ano e sete meses de existência, abriga 220 famílias e já produz mais de 20 mil quilos de alimentos por semana.

Oportunismo desmascarado

O governo do estado da Bahia, gerenciado por Rui Costa/PT, promoveu o despejo de cerca de 700 famílias só nos últimos 2 meses. Atualmente existem cinco ameaças de despejos vigentes no estado.

“Ruy Costa foi eleito com o discurso de sempre estar a favor do povo, de contribuir com as causas sociais e fortalecer a cultura e o trabalho do povo do campo. Mas nesses últimos dias temos visto um conjunto de medidas contra o povo do campo, em especial às pessoas do Sem Terra, que estão acampadas e assentadas”, afirma Antônio Marcos de Jesus, liderança dos camponeses, para o portal do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira