Rebeliões na América Latina e a crise no Brasil

A- A A+


Manifestantes enfrentam as forças de repressão do velho Estado no Equador durante um dos protestos que sacudiram o país em 2019

Artigo do professor Fausto Arruda, diretor geral do jornal A Nova Democracia, que será publicado na página 3 da edição nº 229 (dezembro de 2019 e janeiro de 2020), que estará disponível na internet e nas bancas de todo o Brasil na próxima semana.


Os levantes da América Latina no Equador, Haiti, Chile, Colômbia, e até o levante popular na Bolívia – galvanizado pela coalizão de direitistas e fascistas que impuseram um golpe de Estado militar – fazem tremer toda a canalha, colocam em estado de pânico os reacionários e tiram o sono dos ricaços.

Os fascistas e os generais direitistas sabem do mal que estão fazendo ao povo com seus projetos impostos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial por ordem do imperialismo, principalmente ianque, e, por isso, se estremecem dos pés à cabeça. A “prova dos nove” acaba de ser demonstrada pelas massas populares chilenas, que reagem lá à mesma fórmula que Paulo Guedes tenta aplicar no Brasil, e que levou à miséria mais da metade dos chilenos. Agora, o velho Estado chileno tenta por meio da mais sanguinária repressão combinada com os apelos de “negociação” por parte do oportunismo eleitoreiro, encontrar fórmulas que possam arrefecer a justa revolta das massas populares e aplacar o seu descontento.

Numa atitude de mais extrema irresponsabilidade, o banqueiro Paulo Guedes, também conhecido como ministro da Economia de Bolsonaro, concedeu entrevista à imprensa no USA prevendo que os brasileiros também façam uso de manifestações. De fato, as manifestações são inevitáveis, independem da vontade de quem quer que seja, e elas vão remexer todo o cenário político. Tanto o governo militar secreto quanto o governo aparente do fascista Bolsonaro rangem os dentes ante a simples ideia de uma nova onda de rebeliões no país e fazem mais ameaças de lançar as reacionárias Forças Armadas contra o protesto popular. Por sua vez, o bando bolsonarista pensa em tirar proveito de qualquer instabilidade, se apressando nos preparativos de manipulação em larga escala, para jogar massas contra massas e em benefício de seu projeto corporativo.

A situação transitória de acordo entre o reacionário Alto Comando das Forças Armadas (ACFA) e Bolsonaro para tirar a economia do buraco a qualquer preço, faz com que o presidente fascista, useiro e vezeiro do desbocamento, tenha que se contentar com seus puxa-sacos e auxiliares mais íntimos para darem declarações. Assim, é inusitado o próprio ministro da Economia dar declarações que provoquem “frio na barriga” do “mercado” e o aumento do dólar, causando perplexidade dentro e fora do país. Em qualquer lugar do mundo ele já estaria demitido pelo telefone.

Mais inusitado ainda é quando os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo criticam as declarações do ministro e, em resposta, Bolsonaro faz gaiatices, dizendo que seu número é o “38” (referindo-se ao seu novo partido, projeto mal-acabado de Falange). Já o ministro, ao saber da intervenção do Banco Central na venda de dólares, afirmou que era bom o povo ir se acostumando com o dólar mais caro e com o câmbio mais baixo.

Tudo indica que há um plano de criar um clima de perplexidade na economia para que o Congresso aprove os projetos super autoritários de Bolsonaro. Tudo indica que provocar a inquietação e a instabilidade na sociedade é a palavra de ordem dos fascistas.

Povo encontrará a revolução

Do lado do povo, não haverá Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no campo ou na cidade e muito menos “excludente de ilicitude” que possam barrar a guerra civil revolucionária, que surgirá em resposta à marcha ao fascismo de Bolsonaro ou ao regime constitucional de presidencialismo absolutista do ACFA. Todos fantoches dos ricaços, grandes burgueses e latifundiários, lambe botas do imperialismo ianque que tentam se equilibrar num acordo para dar saída à agônica crise política, econômica, social e moral em que se decompõe seu velho e genocida Estado burocrático.

As massas populares estão, passo a passo, elevando seu grau de consciência política e seu grau de organização nas mobilizações constantes do dia a dia por suas mais sentidas demandas, acossadas pelo desenfreado desemprego, pela crescente miséria e contra os ataques mais insidiosos e covardes de corte de direitos. As amplas massas, em muitas das batalhas em defesa de seus direitos pisoteados, encontrarão no seu seio os setores mais organizados para dar-lhes direção revolucionária.

Com a condução revolucionária do proletariado, as massas, pouco a pouco, saberão identificar seus inimigos um a um, os pequenos e os grandes. Aprenderão que o desemprego profundo, a baixa dos salários, os ataques às suas liberdades, os tormentos em seu dia a dia, a morte de amigos e familiares por operações policiais espetaculosas, a negação do direito à terra para nela trabalhar, dentre outras desgraças cotidianas são fruto de um cruel e secular sistema de exploração e opressão. Mais ainda, entenderão que toda a tormenta que se abate sobre elas não desaparecerá sem a destruição total deste apodrecido sistema político e do capitalismo burocrático, passando por cima de todo cacarejo eleitoreiro do oportunismo e por toda a ladainha demagógica das promessas politiqueiras.

Saberão ver que, dentro desse sistema, há um setor da população que se beneficia e perpetua tais mazelas, pois elas são resultado de sua dominação. São eles os latifundiários e grandes burgueses, além do imperialismo, principalmente ianque.

As massas em luta saberão reconhecer que a linha revolucionária de destruir o latifúndio e entregar a terra aos camponeses – promovendo a cooperativização e coletivização graduais da agricultura – aumenta o salário necessário nas cidades, movimenta a economia no interior do país, quebra pouco a pouco a dominação estrangeira sobre a nossa economia. Perceberão que, nessas áreas revolucionárias, surgirão, junto com a nova economia, novas formas de organização armada das massas, de nova política e de Novo Poder. A nova democracia na qual os trabalhadores participarão em Assembleias Populares em níveis de base, municipais, regionais e até a nacional, cujos delegados eleitos, sem nenhuma remuneração extra e nenhum privilégio, terão o mandato revogável a qualquer instante que os que o elegeram o queiram.

Esta Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista cria as condições para que o povo, ao conquistar o Poder em todo o país, confisque todo o capital monopolista local ou estrangeiro, colocando-o a serviço do alargamento da produção de mercadorias para consumo familiar e na produção de máquinas industriais, agrícolas e de alta tecnologia e pela elevação e transformação cultural, nacional, científica e de massas, tudo em benefício do povo e da Nação. Rumo ao socialismo, o fruto do trabalho dos operários e demais trabalhadores não serão mais embolsados pelos monopólios para enriquecer um punhado, mas sim nos interesses sociais, como educação, saúde e, pouco a pouco, na elevação sólida dos salários para o conforto das famílias proletárias e populares.

É este futuro que os generais reacionários, os fascistas e os seus amos – grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, principalmente ianque – temem mais do que tudo. Ele surgirá, inevitavelmente. Não adianta tentar preveni-lo, reacionários!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira