Servidores fazem atos em defesa da saúde em diversos pontos do Rio de Janeiro

A- A A+


Trabalhadores protestam em frente ao hospital Albert Schweitzer, em Realengo. Foto Marcia Foletto

Dando prosseguimento às manifestações realizadas nos últimos dois dias e como parte da paralisação de 48 horas começada em 10/12, no dia 11 de dezembro servidores da saúde do Rio de Janeiro realizaram novos protestos em diversos pontos da cidade.

Leia também: Rio de Janeiro tem protestos e paralisações em defesa da saúde pública

Entre as reivindicações, os trabalhadores exigiram o pagamento de salários atrasados (incluindo o 13°), melhores condições de trabalho, contra o estado de calamidade da saúde, entre outras. Em todos os atos, o prefeito Marcelo Crivella foi rechaçado.

No Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, zona oeste, a manifestação contou com centenas de pessoas, que se reuniram em frente à unidade. Depois de um abraço simbólico no hospital, os manifestantes seguiram até a avenida Brasil. Os servidores denunciaram que os 10 leitos do CTI estão ocupados e faltam medicamentos básicos como antibióticos e hipertensivos. O caso do Albert Schweitzer é um dos mais calamitosos na capital fluminense.

Em Campo Grande, também na zona oeste, servidores do Hospital Rocha Faria se manifestaram ocupando a avenida Cesário de Melo. Usuários denunciaram que no Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz, igualmente na zona oeste, o clima era  de revolta devido a falta de médicos. 


Agentes comunitários protestam no Centro da cidade. Foto: Matheus Rodrigues/G1

No Centro, servidores municipais da saúde protestam na frente da Justiça do Trabalho, onde ocorria uma audiência de conciliação com a administração municipal para resolver o impasse dos salários atrasados. 

Já no Leblon, zona sul, agentes comunitários das clínicas da Família bloquearam parcialmente a avenida Bartolomeu Mitre, na altura do Hospital Miguel Couto.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza