Chile: Polícia militar compra gás lacrimogêneo do Brasil para reprimir manifestações

A- A A+

Durante a sétima semana de protestos (que iniciaram-se no dia 18 de outubro) no Chile, os carabineros (polícia militar chilena) realizaram uma compra "urgente" de gás lacrimogêneo produzido no Brasil para tentar controlar a revolta popular, segundo o jornal chileno La Tercera. A venda do produto aumentou após as balas de borracha terem seu uso limitado na repressão dos protestos após diversos crimes serem cometidos através do seu uso covarde.

De acordo com o veículo, a direção de logística dos carabineros enviou um comunicado a seus oficiais para informar como funcionam os novos cartuchos, fabricados pela Condor S.A., sediada no estado do Rio de Janeiro. Os artefatos são dos modelos CS GL-202, classificado como de longo alcance lacrimogêneo, e GL 203/3, um projétil lacrimogêneo triplo.

A Condor é a maior fabricante de munições não letais do Brasil, como gases pimenta e lacrimogêneo e balas de borracha, vendidas para todas as polícias militares e civis brasileiras.

De acordo com dados da Direção Nacional de Ordem e Segurança dos carabineros, policiais usaram 98,2 mil bombas de gás lacrimogêneo calibre 37, as mesmas compradas da empresa brasileira, e 18 mil granadas de mão.

A demanda pelo artefato aumentou após o uso de balas de borracha ser limitado, depois de múltiplos casos de pessoas que sofreram lesões oculares praticadas pelos policiais na repressão cruenta. 

Segundo o Instituto Nacional de Direitos Humanos do Chile, uma entidade pública independente, mais de 240 pessoas relataram lesões oculares, incluindo cinco pessoas que tiveram perda de visão, e, após um estudo da Universidade do Chile constatar que as balas usadas pelos carabineros possuíam 80% de metais tóxicos (como chumbo e silício) em sua composição, o uso delas foi suspenso em 19 de novembro.

No início de dezembro, a organização Human Rights Watch publicou um relatório que afirma que a polícia chilena cometeu graves abusos de “direitos humanos” durante a repressão aos protestos, que já deixaram ao menos 26 mortos e 13 mil feridos.


Juventude combatente resiste diante da repressão policial no Chile

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza