Índia: Imperialismo alemão ajudará a combater maoistas

A- A A+

Segundo informações do monopólio de imprensa, foi realizada uma reunião entre o Alto Escalão da República Federal Alemã e o regime indiano cujo tema foi reforçar a “cooperação internacional” para combater a Revolução Indiana e os movimentos armados no sudeste da Ásia.

Essa é a oitava reunião do grupo de trabalho conjunto Índia-Alemanha sobre combate ao “terrorismo” (termo que os imperialistas e reacionários usam para tentar manchar a imagem dos revolucionários e seus inimigos). A delegação indiana foi chefiada pela secretária conjunta de luta contra o terrorismo no Ministério das Relações Exteriores, Mahaveer Singhvi. Já a delegação alemã foi liderada pelo embaixador e diretor da “Organização das Nações Unidas” (ONU), Andreas Kunne.

Um comunicado conjunto divulgado após a reunião afirmou: “Ambos os lados condenaram o terrorismo em todas as suas formas e manifestações e enfatizaram a necessidade de fortalecer a cooperação internacional para combater a ameaça de maneira abrangente e sustentada".

Os imperialistas e lacaios ainda discutiram como interromper redes, abrigos, infraestrutura, canais de financiamento e movimentação por fronteiras de grupos classificados por eles como “terroristas”.

A Índia passa hoje por uma guerra popular prolongada, uma luta armada levada a cabo por um Exército revolucionário composto por camponeses, povos tribais, estudantes do povo, operários e outros setores. 

O objetivo da Revolução Indiana, que é dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), consiste, de imediato, em destruir a concentração de terras nas mãos dos latifundiários semifeudais e das mineradoras. Ao realizar isto, os revolucionários buscam destruir a dominação imperialista estrangeira sobre a economia nacional, aplacar a miséria no interior do país e abrir caminho para que a nação possa desenvolver. Ao mesmo tempo, os revolucionários também atacam os monopólios locais, que têm toda sua produção vinculada a esses latifúndios e ao imperialismo, e às transnacionais. 

Os ataques raivosos dos imperialistas alemães e outros à Revolução Indiana deve-se ao fato de que, em seus objetivos, os revolucionários confrontam-se diretamente com os interesses econômicos e políticos dos grandes burgueses desses países.

A guerra popular desenvolve-se desde 1967, iniciado pelo Levante Armado de Naxalbari, em Bengala Ocidental. Hoje, o Exército revolucionário tem atuação em pelo menos um terço do território, dentro do qual existem bases de apoio revolucionárias.

 Membros do EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista). Foto: Reprodução.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira