CE: Servidores públicos são reprimidos em manifestação contra a 'reforma' da previdência de Camilo Santana/PT

A- A A+

Fonte: APEOC

Centenas de trabalhadores e trabalhadoras da Rede Estadual de Educação foram reprimidos e impedidos de entrar na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (Alce) durante cessão que discutiria a aplicação da draconiana "reforma" da previdência aos trabalhadores públicos do Ceará, no dia 18 de dezembro.

Durante a manifestação, vários carros e agentes do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) foram acionados para impedir o protesto dos servidores. E, em uma ação arbitrária, só foi permitida a entrada de servidores, estagiários, assessores e funcionários terceirizados que trabalham na Assembleia mediante a apresentação dos crachás de identificação.

O "Projeto de Emenda Constitucional" (PEC) n.º 17/19, apresentado por Camilo Santana/PT, segue os moldes da draconiana "reforma" da previdência do governo federal, que teve sua aprovação garantida no parlamento à custa da liberação de mais de R$1,5 bilhão em emendas por Bolsonaro e o governo de generais.

Dessa forma, o corte direitos pretendido pelo governador visa mudar as regras de aposentadoria do funcionalismo público estadual do Ceará, elevando a idade mínima de 60 anos para 65 anos, no caso de homens, e de 55 para 62, para mulheres.

O protesto dos servidores contou com o apoio e a participação de sindicatos, movimentos e organizações populares, estudantes secundaristas e universitários, além de professores efetivos, temporários e substitutos das redes municipal, estadual e federal de ensino, demonstrando um alto grau de solidariedade das diversas categorias na luta em defesa dos direitos juntamente com os estudantes.

Fonte: APEOC


As medidas antipovo do oportunismo

Vale ressaltar que a "reforma" da previdência estadual é apenas um dentre vários projetos criminosos e antipovo que o governo oportunista de Camilo Santana/PT já aprovou e/ou ainda deseja aprovar no Ceará. Ainda neste mês de dezembro, o gerente de turno petista enviou um outro "projeto de lei" à Assembleia Legislativa, possibilitando a viabilização de transferência de recursos do erário público no valor de 1 milhão de reais ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), com atuação no Estado do Ceará. A transferência descarada de dinheiro público para um dos tentáculos da imperialista Organização das Nações Unidas (ONU) é chamada formalmente pelos inimigos do povo de "subvenção social".




Mais uma vez, o Estado do Ceará pode ser visto como um grande laboratório das políticas imperialistas para a educação, além de outras importantes áreas de responsabilidade do Estado e municípios, tais como a Ciência, a Tecnologia, a Cultura e o Esporte. Essas políticas são ditadas por órgãos e agências internacionais, controladas principalmente pelo imperialismo ianque, tais como o Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial, Unicef e a própria ONU.

Os trabalhadores da educação, como em vários outros momentos na história das grandes manifestações ocorridas no Ceará, são a principal categoria a tomar uma posição classista em defesa de seus direitos, denunciando o oportunismo dos parlamentares conluiados com o governo e os demais traidores de classe, que vendem os direitos do povo em troca de migalhas e favores pessoais.

Professores respondem ataques com Greve

Inconformados e decididos a lutar, docentes da Universidade Estadual do Ceará (UECE), em Assembleia da categoria, também aprovaram Estado de Greve no dia 10 de dezembro, levantando um sinal de alerta ao governo do estado, que nos mais diversos gerenciamentos de turno, contribuiu para a precarização e destruição sistemática das três universidades estaduais do Ceará.

Importante destacar que, além da UECE, existem também outras duas importantes instituições que estão presentes em municípios do interior do Estado: a Universidade Regional do Cariri (URCA) e a Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Fonte: ANDES-SN

Apesar dos esforços para precarizar as preciosas universidades estaduais cearenses, índices como o Ranking Universitário Folha (RUF), por exemplo, demonstram os bons desempenho da UECE, sendo considerada uma das melhores universidades estaduais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. As classes dominantes locais, compostas por históricos reacionários e exploradores, em um ato de demonstração do mais puro desespero, tentam aprovar tais projetos antipovo em um final de ano, achando que com isso encontrarão mais facilidades e uma menor resistência das massas trabalhadoras.

A situação de crise no Ceará é generalizada e, além, da mobilização dos trabalhadores em educação, também policiais e bombeiros militares de baixas patentes lotaram a Assembleia Legislativa em protesto pelo reajuste salarial de suas categorias, no dia 05/12, demonstrando que a insatisfação é geral nos setores do serviço público cearense.

A única indicação do cenário atual é o acirramento das contradições de classes e o estabelecimento de lutas ainda mais agudas, que trarão novos desafios e novas experiências à classe trabalhadora, principalmente para os funcionários públicos. É possível perceber que até mesmo setores menos mobilizados estão insatisfeitos com as manobras do gerente petista, sinalizando que o ano de 2020 virá com muitas lutas a serem travadas por todos que defendem uma educação pública, gratuita, de qualidade e a serviço do povo trabalhador.

LEIA TAMBÉM: PA: Servidores enfrentam PM durante votação da ‘reforma da Previdência’; Assista o Vídeo

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza