Catalunha: Manifestantes exigem libertação dos presos políticos pró-independência

A- A A+

Uma manifestante é vista segurando uma faixa durante os protestos no jogo Barcelona-Real Madrid no Camp Nou. Fotografia: Robert Marquardt/Getty Images

Manifestantes promoveram grandes protestos e enfrentaram a repressão policial, no dia 18 de dezembro, exigindo a libertação dos presos políticos do processo de “independência” catalão. Os protestos ocorreram durante o jogo de futebol entre Real Madrid e Barcelona. Os manifestantes construíram diversas barricadas próximas ao estádio, em Barcelona, incendiaram latas de lixo, jogaram pedras e garrafas contra a polícia, e danificaram uma van dos agentes da repressão. 

Dentro do estádio, torcedores carregavam faixas exigindo a independência da Catalunha, como Liberdade, direitos, autodeterminação, e entoavam a palavra “liberdade”, em referência aos presos políticos. Enquanto isso, 5 mil manifestantes se reuniram do lado de fora do estádio, entoando Independência e Prisioneiros políticos livres. Pelo menos 46 pessoas ficaram feridas levemente durante os confrontos, oito mais graves, e nove manifestantes foram detidos.

O jogo, conhecido como El Clásico, deveria ter sido disputado há dois meses, mas foi adiado devido aos grandes protestos que eclodiram após o Supremo Tribunal espanhol condenar nove líderes separatistas catalães a até 13 anos de prisão. Os líderes presos fazem parte da grande burguesia catalã, como o ex-presidente da Generalitat (principal instituição política do “governo” da Catalunha), e a ex-presidente do Parlamento e lideranças da Assembleia Nacional da Catalunha (ANC), que organizava manifestações pró-independência da Catalunha desde 2012.

Uma independência falida pela direção burguesa

Em 2017, no texto Greve Geral sacode a Catalunha na luta por sua independência, publicado em 22 de outubro deste ano, AND analisou: “Esse movimento organizado pela burguesia catalã promoveu a realização de um plebiscito para decidir sobre a independência catalã. O plebiscito obteve a maioria dos votos a favor da separação, e imediatamente o processo foi considerado ilegal pelo governo central espanhol, então encabeçado por Mariano Rajoy, que recorreu à Constituição espanhola e seu veto à secessão de regiões do país. O Estado espanhol interveio, então, na Catalunha, horas após esta ter proclamado sua independência, e forçou o fechamento do Generalitat e do Parlamento local”.

“Os políticos condenados são aqueles que, em 2017, foram cassados pelo governo espanhol e acusados de terem incentivado a rebelião do povo catalão e sua insubordinação ao Estado espanhol. Em seguida, após suspender a independência da Catalunha, a Espanha convocou novas eleições para a região, em dezembro de 2017, que se manteve relativamente calma até o fim do processo judicial, que despertou novamente a ânsia dos protestos pela independência”.

A Associação de Nova Democracia Nuevo Peru (sediada em Hamburgo, Alemanha) lançou uma declaração, em 2017, na qual concluiu que a independência da Catalunha, bem como de qualquer outro povo subordinado e dominado em luta por sua autodeterminação dentro dos países imperialistas, só poderia ser levada a cabo devidamente com um “Partido Comunista, para que a classe dirija consequentemente este movimento e ligue-o com a luta pelo Poder, luta pela revolução socialista, que se realiza com guerra popular”.

Nove pessoas foram presas após protestos em frente ao estádio Camp Nou durante o jogo de futebol Barcelona-Real Madrid. Fotografia: Toni Albir/EPA

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]mail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza