SP: Moradores fazem protesto contra assassinato de adolescente por PM

A- A A+

Moradores da favela Alba, na zona sul de São Paulo, fizeram no dia 27 de dezembro, um ato combativo em repúdio a morte do adolescente, Kauan Alves de Almeida, de 16 anos, executado após levar um tiro de um policial militar no rosto.

Os protestantes, em repúdio e ódio contra os assassinos, colocaram fogo em caçambas de lixo e bloquearam as ruas da favela com diversos objetos. A polícia lançou bomba de gás lacrimogêneo em direção aos moradores.

Kauan foi baleado no dia 25 de dezembro, na favela Alba, durante uma perseguição policial. Segundo testemunhas, o adolescente já tinha se rendido, e estava com as mãos para cima, quando o militar o baleou. Um vídeo que circula na internet mostra o adolescente caído no asfalto, muito ensanguentado, enquanto amigos desesperados tentavam socorrê-lo.

“Ele se assustou, os policiais pegaram, não teve nem como ele se defender. Na hora que ele levantou a mão para o alto o policial pegou a arma e já atirou no rosto dele. O policial falava 'sai daqui, sai daqui', e eu falei: 'eu não vou, senhor, eu não vou, é meu amigo que está aqui no chão'. E ele: 'sai daqui logo, menina, vai'. Eu só consegui tirar ele, porque todo mundo se revoltou na festa que estava tendo e o policial conseguiu se abaixar, porque todo mundo estava jogando coisas na polícia”, relatou uma testemunha em entrevista ao monopólio G1.

De acordo com a polícia, houve troca de tiros. Mas as testemunhas desmentem.

Segundo a mãe do jovem, o policial que baleou Kauan já tinha ameaçado-o. “Meu filho não tem arma, tem testemunha. Meu filho não estava com nada, meu filho até levantou as mãos para eles na hora que ele falou ‘perdeu, perdeu, perdeu’. O policial que atirou no meu filho é conhecido. Esse policial seguia meu filho na porta de casa. Esse policial já me intimidou. Esse policial já falou para mim: ‘seu filho vai morrer, você vai reconhecer seu filho no IML’. Então, quando ele viu meu filho, que ele reconheceu ele já foi direto na cabeça do meu filho”, denunciou.

O jovem estava internado no Hospital Saboia e morreu na manhã do dia 27 de dezembro. O outro jovem baleado na ação, Kauan Ferreira, de 19 anos, foi operado e segue internado sob escolta policial. Outro jovem, Caio Rickson Ramos Alves, de 18 anos, foi preso.

Caçambas de lixo em chamas, mostram a revolta dos moradores da Favela Alba. Foto: Reprodução

Viaturas da PM foram até a favela para tentar reprimir os manifestantes, que não se intimidaram frente aos militares. Foto: Reprodução.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira