RJ: Prefeito da Baixada nomeou paramilitar para cargo em 2017

A- A A+

O prefeito Waguinho de Belford Roxo nomeou o paramilitar Juracy Alves Prudêncio, o “Jura”, para um cargo comissionado na secretaria Municipal de Defesa Civil e Ordem Urbana do Município em 2017; “Jura”, entretanto, cumpre pena de 26 anos de prisão pelos crimes de associação criminosa e homicídio. Segundo as sentenças que condenaram o ex-sargento da PM, ele era chefe do “bonde da jura”, grupo acusado de uma série de homicídios na Baixada Fluminense. A informação da nomeação foi divulgada somente em 2020.

Juracy foi nomeado como assessor de gabinete da secretaria no dia 1º de agosto de 2017 sendo que, três meses antes, o ex-PM havia conseguido na justiça passar do regime fechado para o semiaberto. Após obter o benefício, “Jura” pediu permissão à Vara de Execuções Penais (VEP) para trabalhar fora do cárcere como Diretor do Departamento de Ordem Pública da Prefeitura. A permissão foi concedida no dia 12 de julho de 2017.

De acordo com a decisão da juíza Cristina de Araújo Góes de Lajchter, o paramilitar teria que cumprir “horário de trabalho das 8h às 17h, de segunda a sexta, incluindo 1h de almoço, e sábado das 9h às 14h, mediante controle de presença por folha de ponto, sendo autorizado a saída duas horas antes e o retorno duas horas após as atividades”. 

“Jura” estava preso desde 2009 quando foi o principal alvo da Operação “Descarrilamento” da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), que identificou nove policiais integrantes do “Bonde do Jura”.

De acordo com investigações, o bando, além de extorquir moradores e comerciantes e ter monopólio da exploração de TV, gás e transporte alternativo em áreas de quatro cidades da Baixada, tinha pretensões eleitorais. Em 2008, “Jura” foi candidato a vereador de Nova Iguaçu pelo Partido Republicano Progressista (PRP), com 9.335 votos. Ele não conseguiu se eleger. De acordo com a investigação, o ex-PM usou a estrutura do grupo paramilitar para fazer campanha.

A prefeitura de Belford Roxo em nota alegou que “Jura”, apesar de ter sido nomeado, “nunca tomou posse, ficando assim sua nomeação sem efeito”. A prefeitura informou que “nunca pagou salários” ao ex-PM, já ele não foi encontrado para falar do assunto.

O poder de paramilitares na Baixada

Um inquérito aberto nos últimos meses investiga a participação do subcomandante de um Batalhão da zona norte do Rio em uma milícia, apoiando-a em uma disputa por territórios contra outros grupos delinquentes. Segundo a corregedoria, o oficial ordenou operações do batalhão em uma favela com o pretexto de intensificar o “combate ao tráfico”, mas na verdade a ideia central seria enfraquecer o grupo dominantes para facilitar a entrada de outros delinquentes: os paramilitares.

O caso mais recente envolvendo policiais e paramilitares chegou a ser investigado pela corregedoria e foi o caso de furto de petróleo da Petrobras. O crime teve a participação de um policial militar e o seu envolvimento em a organização criminosa veio a tona no dia 05/11 de 2019.

Um dos cinco presos na ação, o sargento Paulo Roberto Ramos Filho Junior, que estava lotado no 8º Batalhão da PM (Campos dos Goytacazes), se beneficiava do cargo para garantir a segurança das ações de paramilitares. Com isso fica-se evidente que os grupos varejistas de drogas e os paramilitares (“milícias”) atuam da mesma forma e estão cada dia mais aparados por lideranças do sistema político.

Em 2016, na última eleição municipal, já havia informações de toda uma expansão e participação dos paramilitares na política e de controle de muitos comércios; hoje temos um quadro de penetração na economia e na política muito grandes, aumentando o poder desses bandos.

Juracy Alves Prudêncio, o "Jura", condenado a 26 anos de prisão por associação criminosa e Homicídio.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira