RJ: Governo fornece água contaminada com geosmina e substâncias tóxicas

A- A A+

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) – empresa do estado governado por Wilson Witzel – está fornecendo água com geosmina e outros substâncias tóxicas para o povo, segundo estudiosos, no dia 8 de janeiro. A água não potável está sendo distribuída desde o dia 03/01, quando surgiu as primeiras denúncias de moradores.

Apesar de gerentes da Cedae afirmarem que a água está potável, estudiosos rebatem. “Uma água que tem aquela cor e turbidez que estava apresentando nos primeiros dias, que ainda há resíduo na água, residual em menor quantidade, mas é, não faz bem a ninguém. Essa água não deveria ser ter sido distribuída em momento algum”, afirmou o especialista em engenharia sanitária e ambiental, Gandhi Giordano, em entrevista ao monopólio de imprensa Globo.

“Os mananciais do estado do Rio de Janeiro estão sobre risco, estão sendo afetados pela poluição doméstica, pela poluição industrial e essa poluição acaba afetando a população que consome essa agua que é distribuída”, afirma o oceanólogo Fabiano Thompson.

Água contaminada

A Cedae afirma que a presença de geosmina não causa problemas para a potabilidade da água, mas especialistas afirmam que numa concentração de 75 microgramas a cada mil litros de água tal substância é tóxica. 

O oceanólogo e professor do Instituto de Biologia e da Coppe/UFRJ, Fabiano Thompsom, afirmou ainda que os microorganismos que se proliferam conjuntamente com os que produzem a geosmina podem produzir também outras toxinas, como “microcistina, saxitoxina e cilindrospermopsina, por exemplo, que são tóxicas e podem fazer mal ao fígado e ao sistema nervoso”.

A água turva deveria ter sido identificada pela Cedae antes de ser enviada para a casa das pessoas e medidas preventivas deveriam ter sido tomadas.

A geosmina sempre existiu no meio ambiente, o problema só se agravou pois aumentou os níveis de poluentes que promovem a proliferação de outras bactérias. A causa dos problemas no fornecimento da água também está relacionada com a falta de uma ação de reflorestamento e de despoluição dos nossos mananciais, além da prática de lançar esgotos e produtos tóxicos das indústrias nos rios sem fiscalização preventiva por parte dos governos que são coniventes com tais indústrias.

Esse tipo de situação se estende a anos, de modo intermitente. No ano de 2018, por exemplo, moradores do bairro Maravilha, em Campo Grande, zona oeste do Rio, realizaram protesto contra a falta de água, em 18/12. De acordo com relatos, na época, a região sofreu com o desabastecimento de oito dias sem nenhuma solução da Cedae

Segundo o morador Fabio Fonseca, de 38 anos, o problema não é novidade, pois todos os anos a região padece com o mesmo problema. “Moro no bairro há 18 anos e o problema acontece sempre na mesma época. Precisamos recolher água da chuva para as necessidades, tentamos entrar em contato com a Cedae e nunca conseguimos retorno”, disse em entrevista ao monopólio de imprensa O Dia, na época.

Protesto de moradores por falta d'água e luz em Campo Grande, em 2018. Foto: Reprodução.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira