Bolsonaro e generais diminuem salário real para 2020

A- A A+

Bolsonaro e o governo de generais diminuíram o salário mínimo real para 2019, empobrecendo ainda mais os trabalhadores. O “aumento” do salário formal, que foi de R$ 998 a R$ 1.039, não cobre a inflação de 2019 e diminui o poder de compra das famílias.

O salário mínimo fixado pelo governo “aumentou” 4,1%, enquanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2019 – índice que mede a inflação – aumentou 4,48%. O poder de compra (salário real) foi diminuído.

Um dos problemas que consome o salário mínimo foi o aumento da inflação que praticamente duplicou seu tamanho (estimava-se 0,62%, mas a quantia foi de 1,22%). Para que o salário mínimo real fosse mantido no seu patamar de 2019 (que já é terrivelmente baixo) a quantia oficial deveria ser R$ 1.044.

A carne, tida como uma das mercadorias que mais teve aumento no seu preço, teve uma inflação de 32,40%, enquanto o feijão carioca subiu absurdos 55,99%! A banana-da-terra, outro exemplo, elevou seu preço em 46,02%. Já alimentos e bebidas em geral teve uma alta de 6,37%. O plano de saúde, que também entra na conta da inflação, teve uma alta de 8,24%. Outros itens que tiveram alta foram habitação (3,90%), ônibus urbano (6,64%), energia elétrica (5%) e gasolina (4,03%)

Segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), pelo menos 49 milhões de pessoas dependem do salário mínimo no país.

Bolsonaro e Paulo Guedes, ministro da Economia, afirmaram que podem “reajustar” o salário, para mantê-lo no mesmo patamar miserável que em 2019. Mas afastaram qualquer possibilidade de aumento, por menor que seja.

Povo empobrece e monopólio enriquece

Enquanto a inflação e o salário mínimo comem o poder de compra das massas trabalhadoras, os monopólios bilionários prosseguiram aumentando sua riqueza em 2019. O Itaú Unibanco, por exemplo, anunciou em julho de 2019 que atingira um lucro de R$ 7,03 bilhões somente no segundo trimestre, uma alta de 10,2% se comparado ao mesmo período de 2018. Segundo o balanço do próprio grupo financeiro, o bom resultado deveu-se da expansão do crédito para pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas, isto é, através dos altos juros pagos pelas massas populares.

Já o monopólio na produção de bebidas, a Ambev, também se beneficiou em 2019. Com lucro líquido em alta, o monopólio calculou um crescimento de 16,1% apenas no segundo trimestre de 2019, comparado ao período anterior. No total, o lucro líquido foi de R$ 2,712 bilhões no período.

 

Governo reacionário diminui o salário mínimo. Foto: Fernando Souza / AFP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza