RJ: Operários protestam exigindo emprego no Comperj

A- A A+

Moradores de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, protestaram na manhã do dia 21 de janeiro exigindo emprego no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O ato, segundo as massas, é contra a contratação de funcionários de outros municípios e de outros estados, enquanto a população local está desempregada.

Na página “Comperj Online” da internet, moradores de Itaboraí denunciaram no dia 11/03 do ano passado que a Kerui-Metodo estava contratando operários de outras regiões, inclusive de outros estados.

O morador Rafael Ribeiro denunciou:"Estão trazendo os trabalhadores porque isso é jogada política para movimentar recursos financeiros em Itaboraí. Depois que o Comperj ficou esse tempo todo sem obras, Itaboraí praticamente quebrou e o prefeito colocou essa burocracia para que as pessoas de outras regiões possam vir alugar e comprar casa para morar para, assim, poder movimentar os postos e mercados e ramos imobiliários”, disse o rapaz.

"Já é a segunda vez que chego ao Sine às 17h e passo a noite lá para tentar ficha e nada. Hoje eu fui o terceiro para encanador industrial e quando cheguei lá pra pegar a vaga, simplesmente não tinha mais”, denunciou Vânia Silva.

Segundo relatos de pessoas que trabalham no Comperj, a maioria da mão de obra é indicação de supervisores e encarregados, esses indicados estão vindo de outros estados para Itaboraí já com os exames admissionais agendados. 

No dia 21/01 as empresas que recebem isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) por integrarem o Comperj, incluindo a Petrobras, terão que gerar no mínimo 3500,00 empregos diretos ou terceirizados prioritariamente dos municípios próximos a Itaboraí, onde a indústria está instalada. A norma, que valia apenas para a fase de operação, virou lei e passa a valer também para a etapa de construção e implantação.

Atualmente, o número de desempregados estimado na região é de 17 mil.

Trabalhadores protestam por vagas de empregos. Foto: Redes Sociais.

Operários da Comperj. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza