SP: Repressão policial não intimida manifestações contra o aumento da tarifa

A- A A+

Fotos: Comitê de Apoio ao AND de São Paulo

A quarta manifestação contra o aumento da tarifa dos transportes em São Paulo tomou as ruas do centro da cidade no dia 23 de janeiro desafiando todo o aparato repressivo do governo Dória (PSDB).
 
Desde o dia 1° de janeiro, a tarifa dos ônibus do estado passou de R$4,30 para R$4,40, alteração esta que somada ao último aumento acumula uma alta de 10% nos últimos 12 meses.

O protesto teve início em frente ao terminal de ônibus D. Pedro II reunindo centenas de jovens e estudantes que marcharam até a Secretária de Transportes da cidade, onde denunciaram os cortes das linhas de ônibus.

Desde 2017 o número de linhas canceladas já passavam dos 160 e a previsão é que pelo menos mais 190 itinerários deixarão de existir no governo Dória (PSDB).

A Manifestação seguiu até a Secretária de Segurança onde repudiou o covarde ataque executado pela Polícia Militar no ato anterior, quando as forças de repressão atiraram bombas contra os jovens logo no início do protesto num flagrante ataque contra o direito de livre manifestação.  

Leia Também: SP: Estudantes são agredidos e protesto contra alta da passagem é impedido por policiais


PM tenta acabar com protesto

No momento em que a manifestação atingiu o bairro da Liberdade, a Polícia Militar e seguranças do metrô, em uma atitude arbitrária, bloquearam o acesso à estação.

O clima de tensão gerado pela desproporcional quantidade de agentes da PM (BAEP, ROTA, Cavalaria e Tática), que desde o início protesto buscavam criar um cerco, não amedrontou os manifestantes que realizaram a queima de uma catraca no meio da avenida.

Já no final do ato, policiais iniciaram seus ataques contra os jovens, agredindo-os com cassetetes, atirando balas de borracha e bombas.

A população que acompanhava o protesto e os transeuntes que passavam no momento da agressão denunciaram os abusos cometidos: "Como que a polícia quer que a manifestação acabe se não deixam eles [manifestantes] irem para o metrô voltar pra suas casas?", afirmou um senhor que passava no momento.
Moradores do prédio vizinho, localizado em frente ao metrô, também protestaram contra a truculência da PM gritando pelas janelas: "Covardes!".

De acordo com o Movimento Passe Livre quatro pessoas foram presas. No dia 24/01 houve a audiência de custódia e dois deles já estão em liberdade, mas ainda seguem respondendo ao processo pela acusação de resistência e dano qualificado.

Todas essas situações servem para intimidar a população e criar uma situação de terror com o objetivo impedir a revolta popular, mas os manifestantes afirmaram que não vão parar e marcaram o próximo ato para o dia 30/01, em frente a Secretária de Segurança Pública às 17h afim de denunciar a violência policial.




Apoiadores divulgam AND

Membros do Comitê de Apoio ao AND de São Paulo estiveram presentes e realizaram uma brigada de distribuição de exemplares antigos no terminal D. Pedro II ainda durante a concentração da manifestação.

A divulgação do jornal muito foi bem recebida pelas pessoas que mostravam concordância com a linha editorial, denunciando os continuados ataques dos governos contra os direitos do povo, não só do fascista de extrema-direita Bolsonaro, mas também do PT que iludiu a população e não trouxe nenhuma solução útil, além das contrarreformas e pacotaços cortaram os direitos dos trabalhadores. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza