RR: Detentos são ‘comidos’ por bactéria em presídio superlotado

A- A A+

Internos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista (RR), estão sendo “comidos” por uma bactéria altamente infecciosa. Conhecida como piodermite, a doença causa lesões na pele do tipo escabiose e chegam a prejudicar a locomoção. A denúncia ecoou mundo afora após 24 presos serem internados por conta da doença, que antes ficou abafada pela direção penitenciária.

Um relatório publicado pelo Mecanismo de Combate à Tortura (MNPCT) já apontava superlotação, lixo acumulado e a presença de vermes e moscas na unidade desde 2017. Há três anos, o mecanismo visitou as unidades prisionais de Roraima que haviam sofrido com a onda de rebeliões e homicídios daquele ano, o que levou a publicação de um relatório referente à situação dos presídios no estado. Á época, quando mais de 33 detentos morreram, o documento apontou problemas de higiene antes mesmo da intervenção federal no presídio, em vigor desde novembro de 2018. 

“Isto é, em uma unidade com forte quadro de superlotação, de cada dez presos, seis aguardam um julgamento do juiz. Pessoas que sequer tenham sido condenadas, com chances de serem absolvidas ou receber alguma pena restritiva de direitos, se encontram privadas de liberdade em uma unidade altamente degradante e torturante”, apontou o relatório.

Além disso, a entidade identificou que os corredores do presídio estavam abarrotados de lixo e sem condições mínimas de asseio para manter os presos. Os peritos encontraram pessoas adoecidas em todas as áreas na visita de 2017. Algumas apresentavam doenças contagiosas, como tuberculose e Aids. Outras estavam “bastante feridas por causa da violência dos agentes de segurança”. 

A entidade ainda constatou que a penitenciária não oferecia materiais de higiene pessoal, produtos de limpeza, roupas de cama ou insumos do tipo. Tudo era providenciado pelas próprias famílias dos presos. Em algumas das celas onde as pessoas corriam risco de serem mortas eram chamadas de “calabouço”. De acordo com as denúncias, nesse espaço os presos dormiam no chão, sem higiene e urinavam em garrafas pet. 

Em 17 de julho de 2019, um ex-detento revelou que havia problema de superlotação: celas com capacidade para abrigar até oito presos abrigavam, aproximadamente, 15 pessoas. Vale lembrar que o presídio está sob intervenção da Força-tarefa de intervenção penitenciária (Ftip), desde 2018, após ordem do ministro da justiça Sérgio Moro. 

Detentos com bactérias escancara as péssimas condições das masmorras do velho Estado. Foto: Reprodução

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira