Nota da Liga Operária denuncia mais um crime contra os trabalhadores: Não foi 'acidente' foi assassinato!

A- A A+

Reproduzimos a nota de denúncia produzida pela Liga Operária que denuncia os crimes contra os pedreiros trabalhadores em canteiros de obras, convocando todos a denunciarem o não fornecimento de EPI pelas empresas e patrões.

Não Foi “acidente” foi assassinato!

A Liga Operária republica o Boletim do Marreta e denuncia mais um assassinato dentro de canteiro de obras, onde os responsáveis da empresa Florença negligenciaram com a segurança do trabalho e colocaram os trabalhadores para realizar obra de contenção, com escavação de tubulões, mesmo com todos os alertas de riscos geológicos, devido ao alto volume de chuva que castigava Belo Horizonte e Região.
Por isso, a Liga Operária além de nossa consternação o nosso pesar a toda família do operário Claudinei Alves dos Reis (43 anos), que não foi vítima de acidente e sim da ganância patronal, que o colocou para trabalhar, mesmo sob todos os alertas, sem uma Proteção Coletiva. Nesse sentido, compartilha com a Marreta e denunciamos: Não foi “acidente”, foi crime! Premeditado e continuado nessa máquina de moer gente!

Operário da construção assassinado em criminoso “acidente” na Serra

Na tarde do dia 21 de janeiro, às vésperas de completar-se um ano do crime da Vale assassina e terrorista em Brumadinho, que matou centenas de pessoas e destruiu várias lavouras, contaminou a água e segue prejudicando os moradores e turistas na região, dois operários da construção foram soterrados em uma obra da empresa Florença na Rua Palmira, 36 , Bairro Serra – Belo Horizonte.

Após ouvirem gritos por socorro, por volta das 14h, vizinhos acionaram os Bombeiros, que chegaram rapidamente no local e resgatou com vida o operário Marcos Soares Narciso (46 anos), resgatado às 20h e 38min, ou seja. Já o operário Claudinei Alves dos Reis (43 anos), teve o óbito confirmado pelos Bombeiros, às 15h e 40min.

Por tanto, isso não é só um simples “acidente”: é crime! Premeditado e continuado, pois as empresas seguem colocando operários em risco.

Vejam todos, o que saiu no jornal “O Tempo” de Betim às do dia 16 de janeiro:

Belo Horizonte e região estão sendo castigados por fortes chuvas torrenciais, que está destruindo várias casas, eletrodomésticos e ceifando vidas, principalmente da população mais pobre, que vive em condições precárias, ou em áreas de riscos.

O advogado da empresa Florença Construções e Empreendimentos Ltda, compareceu na obra onde ocorreu esse criminoso “acidente” e declarou à imprensa que os trabalhadores utilizavam “equipamentos de segurança”. Para bom entendedor meia palavra basta. Aonde esse senhor quer chegar com essa declaração? Ora, defender a empresa e culpar os trabalhadores pelo “acidente”.

Quem ouviu as palavras do Tenente-Coronel Winderson Alan Moura do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, que disse: “… a gente precisa trabalhar com técnica, para manter a segurança tanto das vítimas, como dos militares que estão empenhados e a dificuldade maior é a instabilidade do terreno e fazer essa contenção para poder propiciar a segurança para os militares envolvidos…” era o que a empresa teria que ter feito antes de colocar os operários em risco, sem um Técnico e ou engenheiro de Segurança no local, ou seja, negligenciou todas as normas e colocou os trabalhadores em risco eminente.

O Marreta denuncia:

A responsabilidade da morte do carpinteiro Claudinei Alves é do governo Temer, Deputados e Senadores que aprovaram a “Reforma Trabalhista” em 2017, aprofundada agora pelo antioperário Bolsonaro, que aponta mais cortes de direitos, por esse motivo as empresas aumentaram os índices de “acidentes” do trabalho em todo o país.

A responsabilidade desse crime é desse governo de generais, que com sua política antioperária, Obscurantista, pois é contra o ensino técnico-científico, Latifundista, porque favorece os latifundiários/agronegócio e com a sua política vende-pátria entrega as nossas riquezas naturais e as nossas estatais às multinacionais. E para completar, ataca profundamente a Segurança do Trabalhador, falando que quer revisar 90% das Normas Regulamentadoras – NRs, que quer destruir o Ministério do Trabalho, principalmente os setores de Mediação e Fiscalização, para facilitar aos patrões.

Responsabilizamos a empresa Florença Construtora, que há anos não cumpre a CCT – Convenção Coletiva de Trabalho, assinada entre trabalhadores e patrões da construção e as Normas de Segurança.

Paralisação Já!

O Marreta exige a imediata paralisação de todas os tipos de escavações de tubulões para fazer sapatas de pilares e contenções de encostas e etc., enquanto esse período de tempestades não parar. Convocamos todos os trabalhadores: NÃO ACEITE TRABALHAR EM TAREFAS EM AREA QUE PONHA A SUA VIDA EM RISCO! Se tentarem te obrigar, chame o Sindicato pelos telefones 3449-6100, ou 3449-6101. SE ESSA MATANÇA NA CONSTRUÇÃO NÃO PARAR OS TRABALHADORES VÃO À GREVE!

Trágica coincidência:

Na manhã do dia 21 de janeiro, Sindicalistas entregam documento ao Superitendente do Trabalho em BH

Muito trabalho para resgatar operário soterrado na Serra em obra da Serra, devido negligência e não fornecimento de EPI

Na manhã do dia 21 de janeiro em que ocorreu uma reunião na Superintendência do Trabalho, para exigir do Dr. João Carlos Gontijo de Amorim a manutenção do Setor de Mediação e para aumentar o número de Auditores Fiscais na Fiscalização do Trabalho, na tarde do mesmo dia, ocorreu o desabamento na Serra, que matou o operário Claudinei Alves dos Reis (43 anos).

Participaram dessa reunião, uma delegação formada pela: Federação dos Trabalhadores da Construção e do Mobiliário de Minas Gerais; pelos Sindicatos dos Trabalhadores da Construção de Belo Horizonte, Vespasiano, Pedro Leopoldo, Lavras, Diamantina, Juiz de Fora, Patos de Minas, Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos – MG, Sindicato Dos Trabalhadores Metalúrgicos de BH e Contagem, Sindicato dos Empregados no Comércio de BH, Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de BH, Sindicato dos Oficiais Eletricistas e Trabalhadores nas Indústrias de Instalações Elétricas, Gás, Hidráulicas e Sanitárias de BH.

Alertamos o Superintendente do Trabalho os riscos que poderiam correr caso não se tomasse providência, para impedir a paralisação e o sucateamento completo do Setor de Mediação e de Fiscalização do Trabalho. A morte do companheiro Claudinei, infelizmente mostrou-nos que as soluções têm que ser imediatas! Como diria uma música antiga de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos: “Quem cala sobre teu corpo, consente na tua morte!”

O que é EPI? O que é EPC?

A fim de esclarecer à população, que não trabalha diretamente em fábricas, obras e áreas que exigem os equipamentos de proteção ao trabalhador e facilita a segurança na área de vivência e do local de trabalho, o Marreta, buscará responder essas duas questões:

EPI é a sigla do nome Equipamento de Proteção Individual, que atende às necessidades individuais do trabalhador, como uniformes, luvas, óculos de proteção, protetor auricular, botinas adequadas a cada função e etc.

EPC é a sigla de Equipamento de Proteção Coletiva, como o próprio nome já diz PROTEÇÃO COLETIVA, consiste em proteger a área de vivência e de circulação do trabalhador e também a proteção do local de trabalho. O EPC é de extrema importância para que todos os trabalhadores estejam seguros.

Por que estamos explicando isso?

Porque as empresas sempre usam as iniciais: EPI e a imprensa reproduz apenas isso, sem levar em conta que é uma artimanha dos patrões, para tentar tirar o corpo fora e culpar o trabalhador quando ocorre um “acidente”, que para o Marreta é CRIME PREMEDITADO e CONTINUADO, pois as empresas negligenciam a segurança do trabalhador e com sutiliza, ainda tenta culpa-lo pelo ocorrido. O EPI é muito importante, mas ele sozinho não protege o trabalhador, deve ser acrescido de EPC.

Porque as empresas sempre usam as iniciais: EPI e a imprensa reproduz apenas isso, sem levar em conta que é uma artimanha dos patrões, para tentar tirar o corpo fora e culpar o trabalhador quando ocorre um “acidente”, que para o Marreta é CRIME PREMEDITADO e CONTINUADO, pois as empresas negligenciam a segurança do trabalhador e com sutiliza, ainda tenta culpa-lo pelo ocorrido. O EPI é muito importante, mas ele sozinho não protege o trabalhador, deve ser acrescido de EPC.

Porque as empresas sempre usam as iniciais: EPI e a imprensa reproduz apenas isso, sem levar em conta que é uma artimanha dos patrões, para tentar tirar o corpo fora e culpar o trabalhador quando ocorre um “acidente”, que para o Marreta é CRIME PREMEDITADO e CONTINUADO, pois as empresas negligenciam a segurança do trabalhador e com sutiliza, ainda tenta culpa-lo pelo ocorrido. O EPI é muito importante, mas ele sozinho não protege o trabalhador, deve ser acrescido de EPC.

EXIJA O EPI, O EPC E SE CASO A EMPRESA NÃO FORNECER: DENUNCIE!!!

Pelos telefones: 3449-6100, ou 3449-6101

Clique no link abaixo e leia o boletim do Marreta na íntegra: Boletim operário assassinado na Serra

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira