SE: Histórias do talento Xokó - luta e cultura indígena em Sergipe

Povo Xokó - Ilha de São Pedro. Foto: Triboxokó.wixsite.com

A luta do povo indígena Xokó, habitantes do Sertão Sergipano ganhou um importante baluarte e autêntico símbolo de resistência e preservação da sua cultura: o livro Histórias do talento Xokó, de Anísio Apolônio Lima Xokó. Publicado em 2019 e lançado em três oportunidades: na festa anual da retomada do território Xokó em setembro, realizada no próprio território Xokó em Sergipe; durante a 9ª Bienal do Livro realizada em Maceió pela Universidade Federal de Alagoas em novembro; e no dia 12 de dezembro, no campus de Aracaju  da Universidade Federal de Sergipe (UFS), durante um evento organizado por professores da UFS e que contou com a participação de estudantes da universidade e apoiadores da luta indígena.

Neste livro conhecemos a história, a cultura e a luta do povo Xokó, o único povo indígena existente no estado de Sergipe, sobrevivente do genocídio colonialista português, contadas em onze poemas e ainda uma peça teatral, sendo apenas uma pequena seleção da vasta obra do autor. O trabalho, organizado pelo professor e apoiador da luta indígena José Nascimento de França, permite conhecer os principais marcos da trajetória dos Xokó, desde a usurpação do seu território por missionários católicos no século XVIII e a grilagem das suas terras por latifundiários, a perseguição ao povo Xokó e a quase extinção da sua cultura, até o resgate da sua história e identidade cultural pelos indígenas e a retomada do seu território. 

Os Xokó habitam hoje as terras do Sertão Sergipano que retomaram nos anos 70, reconhecidas oficialmente nos anos 90, a Ilha de São Pedro no Rio São Francisco e a terra Caiçara às margens do mesmo rio. Dedicados à produção artesanal de louças e panelas de barro e à agricultura, os Xokó lutam hoje por manter viva a sua história, preservando sua cultura e seu território contra a aculturação e as dificuldades econômicas da sua pequena produção camponesa e da escassez de água provocada pelas hidrelétricas do São Francisco. 

O livro de Anísio Apolônio Lima Xokó é uma grande contribuição nesta empreitada, como coloca o organizador do livro: “Dividido entre o sustento de sua família e sua arte, o poeta vivencia os dramas da história do seu povo, de seu meio cultural e social, expressando-os todos em sua obra”.

Em A verdade da minha vida, o primeiro poema do livro, podemos conhecer um pouco do talento Xokó retratando a agressão colonialista contra os indígenas e a destruição da sua cultura:

“[…] Despido como nascido / Sobre formigueiros sentados / Maltrataram-me como nunca / Meus guerreiros foram afogados / Minha cultura, meu mundo / Tudo isso me foi roubado / E ainda depois de tudo / Ali fui escravizado / De índio para branco / Acabara de ser transformado [...]”.

Em Hino Nacional Xokó encontramos a verdadeira essência da luta histórica dos Xokó por retomar não apenas o seu território originário, mas por recuperar a sua identidade e cultura indígena:

“Em ti e por ti Caiçara terra, / Eu me pus para ser degolado, / Com muita fome eu fui para guerra, / E na guerra eu fui escravizado, / Em ti e por ti Caiçara terra, / Meu passado é mais que ensanguentado. […] E tu, meu templo de liberdade, / Fez-se por cem anos cativeiro, / Nele fui partido em metade, / Em outros solos eu fui forasteiro, / Em ti e por ti Caiçara terra, / Exclui-me dos olhos brasileiros. […] Contudo se fez pátria amada, / Idolatrada pelo fruto da dó, / Amante me tornaste de ti, / E por ti muitas vezes me fiz pó, / Em ti e por ti Caiçara terra, / Voltei da guerra em nome dos Xokó”.

Anísio Apolônio Lima, fala sobre o lançamento do seu livro, em evento na UFS. Foto: Comissão organizadora do evento.

Anísio Apolônio (autor do livro) Lima, posa para foto junto de professores e apoiadores da cultura indígena em Sergipe. Foto: Comissão organizadora do evento.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin