Grécia: Polícia ataca brutalmente manifestação de refugiados

A- A A+

Menino corre para se proteger dos efeitos do gás lacrimogêneo disparado pelos policiais. Foto: AFP

No dia 3 de fevereiro, uma manifestação com cerca de 2 mil refugiados, entre eles crianças e bebês, foi brutalmente reprimida pela polícia grega. Os imigrantes protestavam por melhores condições de vida nos campos de refugiados na Ilha de Lesbos. A manifestação tomou a capital da ilha, Mitilene.

Em meio à repressão da polícia de choque, os manifestantes tiveram que despejar coca-cola no rosto das crianças, por causa de sua acidez que ajuda a diminuir os efeitos do gás lacrimogêneo.

‘A situação é um barril de pólvora pronto para explodir’

A Grécia se apressou em enviar mais esquadrões da polícia de choque para Lesbos em meio às tensões explosivas na ilha após confrontos entre as forças de repressão reacionárias e milhares de migrantes e refugiados.

"É um barril de pólvora pronto para explodir", disse Kostas Moutzouris, governador regional do norte do Egeu, ao monopólios dos meios de comunicação. “Ontem eu não estava apenas com medo, eu estava tremendo, [pensando] para onde a situação poderia ir”, disse ele, referindo-se aos imigrantes rebelados. “As coisas chegaram a um limite, especialmente em Lesbos, onde temos 25 mil migrantes”.

A pedido de Moutzouris, o governo reacionário grego concordou em enviar mais duas unidades da polícia de choque à região, além de esquadrões extras que ficarão permanentemente na ilha. Os reforços se juntarão às patrulhas em torno do acampamento de migrantes espalhados fora do acampamento de Moria.

A presença ostensiva das forças de repressão se fez necessária para o Estado reacionário grego depois que mais de 74 mil requerentes de asilo chegaram na Grécia em 2019. Mais da metade (42 mil) estão presos nas ilhas em instalações concebidas para albergar não mais de 5,4 mil pessoas. Em Samos, 7 mil pessoas (o equivalente à população da ilha) estão amontoadas num campo construído para acolher menos de 700 pessoas.

“Um terço são crianças e sete em cada dez deles têm menos de 12 anos”, disse Boris Cheshirkov, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) na Grécia: “Há também mulheres grávidas, idosos, sobreviventes de tortura e outras cuja condição física e mental está deteriorada”. 

Histórico de resistência e repressão

O campo de Moria é considerado o pior campo de refugiados do mundo, com péssimas condições de vida oferecidas aos migrantes, gerando recorrentes manifestações massivas. No acampamento, diversas crianças já tentaram suicídio e nenhum atendimento psicológico é ofertado no campo.

No ano passado, em setembro, ocorreu um incêndio no acampamento, matando uma pessoa (o corpo carbonizado de uma mulher foi encontrado no campo, mas os moradores dizem que houve outra vítima durante o incêndio, e que seria uma criança), e gerando grandes protestos dos refugiados. Ao que tudo indica, o incêndio aconteceu devido às péssimas condições do local.

Essa manifestação, como qualquer ação combativa dos refugiados, foi reprimida pela polícia, que, por sua parte, foi contundentemente repelida pelos imigrantes, o que resultou em quatro policiais e um bombeiro feridos. Já o Ministério da Saúde grego relatou, na época, que 17 imigrantes foram hospitalizadas com ferimentos leves e problemas respiratórios. A polícia disparou gás lacrimogêneo contra os imigrantes que se manifestavam contra a lentidão dos bombeiros para responder ao incêndio

A situação no campo de concentração de Moria é tamanha que alguns imigrantes, então, quebraram suas próprias casas no local, demonstrando sua revolta com a situação de vida no acampamento. O campo abriga cerca de 12 mil pessoas em tendas e contêineres, quatro vezes mais pessoas do que a sua capacidade permite.

 Moradores, inclusive crianças tentam se proteger do gás lacrimogêneo, em um protesto, em 2019, contras as precárias condições do campo de refugiados. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza