A farsa contra o Irã e seus agentes no Brasil

A- A A+

General Qasem Soleimani, assassinado em um atentado terrorista promovido pelo USA. Foto: Banco de Dados AND

O assassinato do general Qasem Soleimani teve como efeito colateral, no Brasil, a importação de uma farsa geopolítica que vitima a Argentina e o Irã há 26 anos. Já no dia do crime (03/01), Jair Bolsonaro, a revista Veja e o jornal do Opus Dei (Gazeta do Povo) o acusaram pela morte de 85 pessoas no atentado a bomba contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) e a Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA), ocorrido em 1994.

Soleimani nunca figurou entre os dignitários iranianos acusados por esse crime. E eles são inocentes.

Nenhuma organização ou Estado em luta contra Israel jamais teve como alvo a comunidade judaica de país algum. No Irã, vivem milhares de judeus. Mesmo sem ter, numa teocracia, igualdade de direitos com os muçulmanos, eles têm representação no parlamento, escolas públicas adaptadas à sua crença e até direito a consumir, para fins religiosos, álcool – um tabu para o islã.

Em 2004, o jornalista argentino Horacio Verbitsky denunciou com provas que os governos da Argentina e de Israel haviam combinado direcionar as investigações. Seus colegas e compatriotas Juan José Salinas e Daniel Schnitman, que conhecem o assunto em profundidade, são taxativos ao negar a responsabilidade iraniana. (O site de Salinas, Pájaro Rojo, é a melhor fonte sobre o tema).

Embaixador de seu país na Argentina à época do atentado, o hoje secretário geral da Organização de Cooperação Econômica, Hadi Soleimanpour chegou a ser preso em Londres em 2003. Constatando a inconsistência das “provas” contra ele, um tribunal inglês negou sua extradição à Argentina, o pôs em liberdade e condenou o Reino Unido a indenizar o Irã por sua prisão.

O juiz que pedira sua extradição, Juan José Galeano foi demitido em 2005 e condenado, em 2019, a seis anos de cadeia por manipular o processo. Também foram sentenciados à prisão dois promotores do caso, Eamon Mullen e José Barbaccia, e o chefe dos serviços de inteligência argentinos à época do atentado, Hugo Anzorreguy. Presidente da DAIA à época, o ex-banqueiro Ruben Beraja também foi processado por desviar a investigação, mas absolvido por falta de provas.

Beraja teria aplicado um golpe em dois traficantes internacionais de armas e drogas com quem fazia negócios: Monzer Al Kassar (sírio) e Ghaith Pharaon (saudita), ensejando a represália que é uma das hipóteses plausíveis sobre o atentado. (A outra é que os serviços secretos israelenses o teriam cometido. Soa fantasiosa por todos os ângulos, menos os que mais comumente levam à resposta sobre mistérios desse tipo: cui bono e o perfil dos mortos: havia trabalhadores manuais ou administrativos de baixa hierarquia, estudantes e transeuntes; nenhum dirigente).

Após revelada a farsa do primeiro processo e revogadas pela Interpol as ordens de captura internacional, o novo juiz do caso, Rodolfo Canicoba Corral decretou, em 2007, a prisão de um ex-ministro-chefe da inteligência iraniana, dois generais da Guarda Revolucionária e dois diplomatas. A Interpol acatou esses novos pedidos, rechaçando apenas os relativos a Soleimanpour, ao ex-presidente Ali Akbar Hashemi Rafsanjani e ao ex-chanceler Ali Akbar Velayati.

Canicoba fez isso a pedido do promotor Alberto Nisman, cuja subordinação ao aparato de inteligência argentino – que, por sua vez, agia por delegação do Mossad e da CIA – foi revelada pelo Wikileaks. Em 2016, Verbitsky publicou o número da conta de Nisman num banco israelense no Uruguai, as datas e valores de 12 transferências recebidas entre 2010 e 2014, totalizando US$ 282 mil. O remetente era o jornal Israel Ayan, de Sheldon Adelson – membro ativo do lobby sionista nos EUA e sócio do fundo de investimentos NML, que, na mesma época, litigava contra a Argentina para cobrar pelo valor de face títulos de dívida adquiridos por centavos.

No início de 2015, Nisman processou a então presidenta Cristina Fernández de Kirchner; seu chanceler, Héctor Timerman; e mais seis pessoas, acusando-os de acobertar os iranianos. Além de resistir a pagar as centenas de milhões de dólares pleiteadas pelo NML, Cristina e Timerman haviam assinado, em 2013, um acordo com o Irã para que uma comissão tomasse depoimentos em Teerã – solução inspirada na do caso Lockerbie entre Inglaterra e Líbia.

Em sintonia com o interesse israelense de não esclarecer nada, Nisman alegou que o acordo visava assegurar a impunidade dos persas. Segundo ele, Cristina e Timerman estariam tentando revogar as ordens de captura da Interpol – algo desmentido por seu então diretor, o estadunidense Ronald Noble, que, há 5 anos, tenta ser ouvido pelos juízes argentinos como testemunha. Em troca, também segundo o promotor, o Irã forneceria petróleo à Argentina – que é autossuficiente.

Dias depois, Nisman apareceu morto – que se saiba, por mão própria. A então deputada Patricia Bullrich acusou um “comando misto venezuelano-iraniano treinado em Cuba” de tê-lo matado. Convém desconfiar de suicídios em meio a tramas de poder, mas, se Nisman foi assassinado, o critério cui bono aponta noutra direção.

Só o interesse geopolítico israelense e estadunidense extraiu dividendos da morte de Nisman. Nos 4 anos seguintes, com Bullrich, como ministra da Segurança de Maurício Macri, a CIA e o Mossad aprofundaram sua presença na Argentina, conseguiram que o país passasse a tratar oficialmente o Hesbolá como organização terrorista e incrementaram a vigilância e a perseguição às comunidades árabes e muçulmanas em Buenos Aires e na tríplice fronteira.

Essas informações não chegam ao leitor brasileiro, exposto a fabulações como a de que Soleimani teria arquitetado a morte de Nisman, publicada no UOL por Diego Schelp. Os jornalistas brasileiros que escrevem sobre o tema atuam como agentes da contrainformação israelense. Uns, de modo discreto, como Sylvia Colombo, da Folha de São Paulo – que omite persistentemente informações como as publicadas por Verbitsky, amplamente conhecidas na Argentina, onde mora. Outros, de forma demasiado clara, como Mario Chimanovitch – que, já em 1994, propagava a acusação contra o Irã na revista Quanto É?, perdão, IstoÉ, e, em 2013, clamava, na mesma Folha, por uma lei antiterrorista no Brasil invocando o caso AMIA.

Bombeiros e equipes de resgate procuram sobreviventes entre os escombros do centro da Comunidade Judaica em Buenos Aires, depois de um carro-bomba destruir o edifício em 18 de julho de 1994. Foto: AP

Notas:

Uma foto do cabograma remetido por Otegui ao ministério de Relações Exteriores argentinos pode ser vista em https://www.elcohetealaluna.com/nisman-y-los-buitres/. Ver também https://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-38318-2004-07-18.html 

ttp://pajarhorojo.com.ar/?cat=5

 https://www.publico.es/internacional/nisman-fiscal-desenmascarado-wikileaks.html 

https://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-291002-2016-01-24.html e https://www.elcohetealaluna.com/nisman-y-los-buitres/

https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1250952-brasil-permanece-sem-estrategia-antiterror.shtml 

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira