Áustria: Apoio à guerra popular na Índia toma as ruas!

A- A A+

Revolucionários austríacos fazem campanha em solidariedade internacional com a Guerra Popular na Índia.

Revolucionários austríacos, através do Comitê Internacional de Apoio à Guerra Popular na Índia, convocaram ações de solidariedade internacional do dia 30 de janeiro a 1º de fevereiro. Durante essas datas, os ativistas realizaram uma grande campanha de apoio à luta naquele país.

A situação da luta revolucionária a Índia foi ilustrada através de eventos informativos, que foram realizados em três cidades da Áustria. Também foi enfatizada a importância negativa do capital imperialista austríaco na exploração da força de trabalho indiana, sendo decisivo na opressão de camponeses, estudantes, trabalhadores e mulheres.

Em Linz, ativistas mostraram sua solidariedade e apoio à Guerra Popular na Índia colocando em sedes de empresas cartazes apoiando a Guerra Popular na Índia. Algumas das empresas alvos da propaganda foram Strabag, Rosenbauer e Plasser & Theure. Também foram distribuídos jornais e folhetos que expunham a influência do capital austríaco na exploração e opressão dos povos na Índia.

De acordo com os revolucionários, são especialmente empresas austríacas como a Voestalpine, Strabag, Rosenbauer, Red Bull, Plasser & Theurer, Raiffeisenbank e muitas outras que se utilizam da semifeudalidade e semicolonialidade do país indiano para explorar aquele povo. O banco Raiffeisenbank, por exemplo, é responsável por fazer empréstimos aos camponeses indianos, que mais tarde não podem quitá-los, devido à alta taxa de juros, caindo em endividamento e perda da terra, expuseram os revolucionários. 

Eles destacam também o Grupo Rosenbauer, que produz não apenas veículos de combate a incêndios, mas também canhões de água, que são utilizados contra ativistas democráticos e revolucionários para acabar e dispersar com manifestações. Também abordam o programa “Faça na Índia”, de Narendra Modi, uma política de venda do país que facilita a instalação de multinacionais estrangeiras na Índia, atraindo mais ainda empresas austríacas para surrupiar as riquezas naturais e a força de trabalho indianas.

Entretanto, colocam os revolucionários austríacos, “os trabalhadores, camponeses, estudantes e mulheres na Índia resistem e lutam contra estes ataques antipovo não só com greves gerais. As massas na Índia resistem organizadas sob a direção do Partido Comunista da Índia (Maoísta) na maior revolução do mundo”.

“Aos milhares, ativistas democráticos, revolucionários e comunistas são presos, torturados e assassinados. A guerra que é travada contra o povo, apoiada pelo principal imperialismo, o ianque, é respondida com a Guerra Popular. Os planos da classe dominante são cada vez mais golpeados profundamente e, por maiores que sejam as ofensivas (por exemplo, a Operação “Caça Verde” - uma ofensiva do velho Estado contra a revolução, que foi financiada com 18 bilhões de dólares norte-americanos), o Partido Comunista da Índia (Maoista) e ampla solidariedade e apoio a ele entre o povo está ficando cada vez maior”, pontuam os revolucionários.

Eles expõe também os novos planos imperialistas como novas medidas de privatização e a nova ofensiva chamada Samadhan, que visaria “destruir completamente o Partido Comunista da Índia (Maoísta) e o movimento revolucionário e comunista até 2022”. Colocam, ainda, que não serão frutíferos tais planos, porque os trabalhadores, camponeses, estudantes e mulheres indianas “sabem que só sob a liderança do Partido Comunista se pode pôr um fim à exploração e à opressão”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza