Petroleiros em greve contra demissões e corte de direitos

A- A A+

Ocorre, desde o dia 1º de fevereiro, uma greve dos petroleiros contra demissões e por direitos trabalhistas. As paralisações, até o momento, estão sendo feitas em dez estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR), os trabalhadores ocupam a unidade há 12 dias contra o fechamento da fábrica e as mil demissões anunciadas pela gestão da Petrobrás, que ocorreriam dia 14 de fevereiro. A Fafen está na lista de privatizações do fascista Bolsonaro e seus generais ultrarreacionários.

No Rio de Janeiro, um grupo de cinco diretores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) ocupam o edifício sede da Petrobrás, demandando uma negociação com a gestão da estatal. Além de exigir a suspensão das demissões na Fafen-PR, os trabalhadores querem que seja cumprido o Acordo Coletivo de Trabalho.

Segundo informações dos sindicatos da FUP, a adesão é de 90% a 100% nas unidades operacionais, com participação dos trabalhadores terceirizados e também do administrativo. 

Apesar das ações antissindicais da Petrobrás, que insiste em desrespeitar o direito à greve, com interdições proibitivas, cortes nas comunicações das plataformas, cárcere privado nas unidades, entre outras arbitrariedades, os petroleiros seguem parados. 

A operação tem sido mantida na maioria das unidades do Sistema Petrobrás por equipes de contingência da empresa, formadas por gerentes, supervisores e outros profissionais sem experiência nas tarefas de rotina das refinarias, plataformas e terminais, o que coloca em risco a segurança das equipes e das próprias unidades. 

Na Bacia de Campos, já foram registrados vazamentos nas plataformas PCE-1 e P-15. No Terminal de Paranaguá (PR), as equipes de contingência colocaram a segurança em risco durante bombeamento de Gás Liquefeito de Petróleo para a Refinaria Presidente Getúlio Vargas. 

12° dia de greve ganha força e promove união das massas 

Petroleiros da Petrobras entraram em seu 12º dia de greve no dia 12/02, com o protesto atingindo 101 unidades da estatal monopolista em 13 estados do país, segundo a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). De acordo com a entidade, a mobilização afeta, entre outras unidades, 48 plataformas, 11 refinarias e 20 terminais.

Em vez de negociar com a FUP e os sindicatos, garantindo o direito constitucional à greve, a gestão da empresa descumpre medidas judiciais e a própria legislação, anunciando que está providenciando “a contratação imediata de pessoas e serviços, de forma emergencial, para garantir a continuidade operacional em suas unidades durante a greve”. 

Petrobras desconta salário de petroleiros

O monopólio burocrático aplicou o primeiro desconto de salário aos trabalhadores que estão em greve no adiantamento do dia 10, de acordo com um documento interno da companhia visto pela Reuters. No dia 21, quando ocorrerá o próximo pagamento, será realizado novo desconto dos dias de greve.

“Caso o empregado retorne ao seu posto de trabalho, a estatal fará um contracheque de ajuste na primeira oportunidade possível para pagar os dias trabalhados a partir do retorno”, diz nota da empresa.

Para o coordenador interino do Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (Sindipetro), Valmir Hoffmann,  “essa é uma forma da empresa pressionar os empregados”, “É uma tentativa, mas não vai funcionar, pode até colocar mais ‘sangue nos olhos’ da galera”, diz Hoffman.

Petroleiros estão em greve desde o dia 1° de fevereiro. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza