Chile: Presos políticos Mapuche divulgam carta aberta e demarcam que não negociarão com o velho Estado

A- A A+

Em fevereiro de 2020, os presos políticos mapuche, detidos na prisão de Angol, divulgaram uma carta aberta, assinada por dez lutadores, manifestando sua posição política e dirigindo-a às organizações nacionais e internacionais. A carta fora veiculada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo), e pode ser lido em sua forma original no portal democrático El Pueblo.

“Há muitos anos”, começam os presos políticos, “vêm-se falando sobre a constante luta mapuche. Mas a luta de qualquer povo que se levante contra o Estado que os oprime tem como conseqüências prisões e mortes. Por isso, não queremos perder esta oportunidade para prestar uma sincera homenagem a todos os mapuche mortos pelo Estado do Chile e pelo poder econômico. Esses mapuche têm nomes e sobrenomes, é por eles que estamos tremendamente orgulhosos desta luta travada por homens e mulheres valentes”, inicia o grupo.

“Por outro lado”, continuam, “tampouco esquecemos os weichafe, que dia a dia percorrem o caminho da luta por libertação, bem como o caminho dos leftraru, maguil, pelantaru, kilapan e todos os mapuche que dedicaram suas vidas nos últimos tempos; os weichafe conferem dignidade e valor ao povo da nação Mapuche”.

Eles, presos políticos mapuche da prisão de Angol, deixam claro que sua luta é para recuperar seu território, como objetivo principal, para consequentemente gerar autonomia em todos os sentidos: “Portanto, nossa luta é contra o Estado e o grande empresariado que agride e corrompe as comunidades mapuche. É por isso que, diante das novas ideias que resultaram das mobilizações sociais que pressionaram o Estado e os partidos políticos tradicionais, queremos deixar claro que não partilhamos de propostas como: assembléia constituinte, assentos reservados aos povos indígenas e nem Estado Plurinacional; todas essas idéias visam suprimir nosso povo Mapuche”.

Os presos políticos colocam que, hoje, o velho Estado com todas as suas instituições tenta aplastar a luta popular, para eles, o Ministério do Interior "manipula politicamente as instituições para perseguir o povo Mapuche e os movimentos sociais em geral."

Já, os Tribunais, aplicam sentenças abusivas quando se trata da luta Mapuche, sob ordens do governo e dos interesses econômicos da grande burguesia e do latifúndio, pois, "como povos Mapuche, sofremos condenações antecipadas antes do julgamento, em conluio com os meios de comunicação, encarregados de deslegitimar a justa demanda pela recuperação do território."

O Ministério Público, juntamente com a Polícia, com o PDI (polícia investigativa) e com os organismos de inteligência, para os Mapuche, assediam, perseguem, torturam, fabricam evidências e manipulam provas.

As Organizações nacionais e regionais de Direitos Humanos, afirmam eles, limitam-se a cumprir funções porque dependem do Estado, ao passo que são informantes, o que é totalmente contraditório à declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas.

Já, a Polícia de custódia/prisional (Gendarmería), responsável pela prisão dos Mapuche em questão, abusam e torturam, negam acesso à cultura espiritual Mapuche, violando suas próprias leis e tratados internacionais, que respaldam nosso povo (Convenção 169 da OIT).

Sobre a Defensoria Penal Mapuche, eles dizem que a agência foi criada pelo Estado, para demonstrar que o Mapuche teria acesso à defesa e à justiça. "No entanto, é uma agência à disposição do Estado para condenar e aprisionar o Mapuche."

Eles advertem que essas mesmas instituições são as que hoje matam, torturam, aprisionam e reprimem o movimento social.

"Como combatentes Mapuche dignos, é contraditório, para dizer o mínimo. Não queremos integrar um Estado que há anos nos condena à pobreza e ao extermínio. Seria trair aqueles que deram a vida pela liberdade do nosso povo. Nós, as comunidades em resistência e os presos políticos Mapuche não estamos dispostos a negociar o sangue de nossos irmãos mortos pelo Estado Chileno", concluem os revolucionários Mapuche.

Protesto Mapuche. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza