Caminhoneiros fazem greve no Porto de Santos em luta a favor de seus direitos

A- A A+

Caminhoneiros param no Porto de Santos e ameaçam greve nacional. Foto : Banco de Dados AND

Caminhoneiros da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, realizam uma manifestação na entrada do Porto de Santos na manhã do dia 17. De acordo com a categoria, os trabalhadores protestam contra o novo Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do cais, reivindicam um valor mínimo para serviços de frete e a retirada do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis.

“Brasília tem um projeto que vai tirar 8 mil postos de trabalho no porto de Santos e nós não vamos admitir. Vamos fazer essa paralisação para mostrar para o governo federal que nós somos unidos e que não vamos permitir a perda de trabalho no porto”, declarou representante do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam), Alexsandro Viviani. Além disso, a retirada do ICMS reduziria o preço dos combustíveis para R$ 2,50. Atualmente, o valor médio é de R$ 3,711.

A concentração dos manifestantes começou próxima à avenida Engenheiro Augusto Barata, no bairro Alemoa e durou 24h. De acordo com Alexsandro Viviani, os manifestantes fazem um trabalho de argumentação com os motoristas para ampliar a adesão da categoria. 

A reacionária Justiça Federal proibiu, no dia 16/02, o bloqueio do Porto de Santos com uma multa diária de R$ 200 mil para aqueles que descumprirem a medida. Alexsandro afirma que parte dos motoristas deixa de acessar os terminais em apoio ao ato da categoria. “O ato é para mostrarmos que a categoria está unida e que, se não formos atendidos, nossa greve será por tempo indeterminado”, crava.

A categoria também reivindica um valor mínimo para o serviço de frete. “Queremos que esse piso seja constitucional para toda a categoria, que os preços dos serviços sejam justos”.

Petroleiros e caminhoneiros denunciam política de preços de Bolsonaro 

O diretor de comunicação do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro) do Litoral Paulista, Fábio Melo, conversou com os caminhoneiros ao lado do presidente do Sindicam, Alexsandro Viviani, na manhã do dia 17/02, no Porto de Santos. De acordo com ele, “a estatal está praticando um ágio no preço para que o produto externo possa entrar com competição aqui”.

Melo afirma que a greve dos caminhoneiros vai ao encontro da dos petroleiros, assim como foi a de 2018. “Lutamos contra a política equivocada que o governo federal está impondo sobre paridade de preço internacional. Além dos impostos, que afetam a vida de todo mundo, o problema também está na origem. A paridade de preços internacional favorece a entrada do produto importado, competindo com o produto que é produzido aqui”, afirmou.

Melo diz ainda que “isso está completamente errado. As cargas das refinarias estão reduzidas e o produto importado está chegando. A Petrobras hoje está praticando um ágio no preço para que o produto externo possa entrar com competição aqui. Nós temos hoje petróleo. Somos um dos dez maiores do mundo, temos uma malha de tubos espalhada pelo Brasil inteiro que garante a logística tanto da chegada do petróleo quanto do escoamento de derivados de petróleo para todo o Brasil e temos um parque de refino robusto”, alertou.

O anúncio de greve dos caminhoneiros da Baixada Santista foi feito no mesmo dia em que a Associação Nacional dos Transportadores Autônomos do Brasil (ANTB) anunciou que a categoria vai aderir e prestar total apoio à greve nacional dos petroleiros, que já dura 19 dias e paralisou 120 unidades do sistema da estatal.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira