Soldado do Exército que fuzilou homem hoje paraplégico é inocentado pela ‘justiça’ militar

A- A A+

O soldado do Exército que fuzilou um carro com cinco jovens no Complexo da Maré, no carnaval de 2015, foi declarado inocente pelo Conselho de Justiça Militar. A principal vítima, Vitor Santiago, ficou paraplégico e perdeu uma das pernas.

Diego Neitzke, soldado do Exército reacionário, foi inocentado por “legítima defesa imaginária”. Segundo o promotor militar Otávio Bravo, o militar “supôs” que o carro, onde estavam os jovens, oferecia “perigo iminente” e por isso atirou. A tese, um absurdo jurídico completo, foi aceita pelo conselho e pela juíza federal Marilene da Silva Bittencourt.

Vitor e outros amigos voltavam de um bar após assistir um jogo de futebol, em 2015, durante a invasão e ocupação militares promovidas pelas forças de repressão ao Complexo da Maré. O soldado atirou seis vezes contra o carro, acertando quatro de raspão, além do próprio Vitor, atingido por dois tiros de fuzil 7,62. Os jovens, vítimas, foram ainda convertidos em réus pela “justiça”. 

'Eles fazem o que querem e fica por isso mesmo'

Em entrevista ao AND, logo após a decisão do judiciário militar, Vitor protestou, sereno, mas firme:

— Isso é corporativismo. Militar passando a mão na cabeça de militar. O que vai ser da família do músico de Guadalupe? – afirma, referindo-se a Evaldo Rosa, de 51 anos, morto em abril de 2019 com 80 tiros disparados pelo Exército reacionário.

Ele prossegue: — Eu estou aqui para falar, estou vivo. Mas e a família do músico? Corporativismo. Militar julgando militar. Até quando ocorrerá esse tipo de coisa?

Sobre a tese, de que se tratou de “legítima defesa imaginária”, Vitor assevera:

— Dizem que foi acidente. Que acidente? Dizem que foi legítima defesa imaginária. O que há de imaginário nisso, na minha vida hoje? Sabe onde eu estou preso? Eu estou preso em um degrau, em um quebra-molas do qual eu não consigo passar sozinho, estou preso com dificuldade para tomar um banho. É isso.

— A justiça foi feita, né? Ele falou isso. A justiça é para os poderosos, quem tem poder, bala na agulha. Eu estava na hora errada, no lugar errado, e aconteceu. Eu não vou andar nunca mais, não tenho uma perna. O soldado não foi ponta de lança. Não foi falha mecânica. Foi falha humana. Ele atirou e ele tinha que pagar – critica.

— Pra mim é impunidade. Eles fazem o que querem. Agora vai ser mais escancarado. Vão fazer o que quiserem, na hora que quiserem, da forma que quiserem, na casa dos moradores das comunidades. Vão ocupar as favelas com polícia, soldados, ao invés de uma política para ver o que está faltando, para solucionar os problemas sociais.

A mãe de Vitor, Irone Santiago, muito revoltada com a impunidade, disparou:

— Olha aí, ó – iniciou, apontando para seu filho – isso aí é “legítima defesa imaginária”? Isso aí é imaginação? O que fizeram ao meu filho não foi imaginário! Eu quero ver se existiria excludente de ilicitude se fosse o filho de um deles!

— É corporativismo sim! Devia ser julgado na justiça comum. A culpa é do Estado que colocou eles lá dentro, sem preparo. E quem paga por isso tudo é meu filho, que está aqui nessa situação. E se fosse o contrário?

Uma das mães vítimas da violência do velho Estado presente para prestar solidariedade, Deise Carvalho, deu um contundente recado e criticou também os partidos oportunistas que buscam aproximar-se e aproveitar com fins eleitorais. “É isso, eles vêm, tiram fotos, falam que ‘estão juntos’ e depois vão embora. Só querem voto para o partido deles”, disparou.

Segundo apurou a Agência Pública, os militares são acusados de 35 mortes de civis desde 2010, quando as operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) passaram a ser mais frequentes. Nenhum militar reacionário foi punido, em nenhum dos casos.

Vitor Santiago de frente ao Tribunal Militar que inocentou seu algoz. Foto: Matheus Rodrigues/G1

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira