MT: Mais de 70 famílias são expulsas a mando do judiciário para beneficiar latifundiária

A- A A+

Pertences da escola da comunidade são retirados do local em início da ação em 4 de fevereiro. Foto: Banco de dados AND

Uma ordem de despejo assinada pelo juiz Alexandre Paulichi Chiovitti, no dia 22 de janeiro contra cerca de 70 famílias na comunidade rural Vale Abençoado, foi posta em prática pela Polícia Militar no dia 4 de fevereiro pelas forças de repressão. A área, que antes da chegada dos camponeses era improdutiva, está localizada no município de Santo Antônio do Leverger.

Em meio ao despejo dezenas de famílias desoladas ainda estavam desabrigadas, as escolas da comunidade foram desmontadas e tiveram seus equipamentos, como cadeiras, armários e mesas, retirados. Em entrevista ao monopólio R7, uma das camponesas afirmou: “Vamos para o meio da rua. Eu não penso só em mim. Tem muita gente que também não tem para onde ir”.

As famílias travaram uma luta de quase 30 anos pelos títulos das terras, sendo estas regularizadas apenas em 2017. O conflito se iniciou quando o antigo latifundiário fez um acordo sobre as terras improdutivas, a fim de valorizar a área para negociar com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a venda da propriedade, porém, não alcançou seu objetivo e acionou a justiça para a retirada das famílias. 

A ordem assinada pelo juiz da Comarca de Santo Antônio de Leverger determinou a expulsão das famílias para a “devolução” de cerca de 1,6 mil hectares à viúva do que se alegava proprietário, Tânia Marisa De Castro Monte. 

A comunidade atualmente abriga moradias, escola e posto de saúde, além de estradas, pontes, demarcação e loteamento da área ocupada. Forças políticas da região se posicionam, assim como nas demais tentativas de despejo, contra a expulsão das famílias.

Um vídeo produzido pelo portal Gazeta MT apresenta relatos das famílias sobre a vida na área e o que poderá acontecer caso sejam despejadas.


Pertences da comunidade são retirados do local em início da ação em 4 de fevereiro. Foto: Banco de dados AND

Escola desmontada a mando do judiciário. Foto: Banco de dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza