SP: Jovens são agredidos por policiais militares dentro de escola

A- A A+

Policiais militares entraram na Escola Estadual Emygdio de Barros e agrediram pelo menos dois jovens, no distrito de Rio Pequeno, na zona oeste de São Paulo. As imagens foram divulgadas na internet, no dia 18/02. Um dos jovens agredidos é golpeado no rosto e nas costelas por quatro policiais.

As agressões foram variadas. Um policial aplica uma rasteira contra o jovem que, depois de imobilizado, foi alvo de toda sorte de agressões e espancamento. O rapaz é identificado como Matheus da Conceição Lima, de 16 anos, que apanhou apenas porque filmou a agressão que os agentes praticavam contra outro jovem. Ele também foi alvo de spray de pimenta no rosto.

A outra vítima foi um rapaz de camiseta preta, que foi alvo de socos e imobilizado com uma “gravata”. Ele e Matheus foram conduzidos para fora da escola, algemados.

Os estudantes que presenciaram as agressões disseram que o tumulto iniciou-se após os policiais irem atender a uma ocorrência, visto que o nome de um dos rapazes não constava na lista de matriculados. Protestando, o jovem foi alvo da violenta arrogância dos militares, seguida das agressões. Kevelyn da Conceição, irmã de Matheus, contou que o pai do adolescente foi até a delegacia para tentar acompanhar o filho, que foi levado ao 91° DP do Ceasa junto com o homem de 19 anos, e informou que ele estava muito machucado pelos golpes que sofreu. Além de Matheus, o pai informou que o rapaz de 19 anos também está machucado.

Para o advogado e conselheiro do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos do Estado de São Paulo (Condepe), Ariel de Castro Alves, a direção da escola se mostrou incompetente ao solicitar a intervenção policial. “Isso denota a falência educacional da escola que recorre a repressão policial ao invés de atuar educativamente na mediação de conflitos, por meio de seus dirigentes, inspetores e professores mediadores”, afirma o advogado que é especialista em direitos da criança e do adolescente. “São cenas terríveis e simbolizam a precariedade dos ambientes que deveriam ser educacionais e se tornaram ambientes repressores e violentos”, completa o advogado

Escola é palco de outras agressões da PM

O conselheiro tutelar que atua na região, Gledson Silva Deziatto, relata que em 2011 uma ex-diretora da mesma instituição teria acionado um policial militar que também agrediu um jovem. “A ação deu início a um inquérito e uma ação pública pelo Ministério Público”, diz Deziatto. 

A mãe de um dos jovens agredidos, Raquel Rodrigues, disse que “ali não era o lugar adequado para aquela violência toda”. “Estavam lá para o serviço de policial. Não levar violência. Me pergunto como mãe: será que dentro da escola é um lugar seguro?”, pergunta ela, revoltada. 

“O vídeo mostra um total despreparo dos policiais ao apontar uma arma para jovens estudantes. É uma situação grave de ameaça”, diz o conselheiro do Condepe.

Policial chega a apontar arma para estudantes. Fonte: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza