RO: Professores da Escola Militar Tiradentes são devolvidos por manifestarem interesse em participar de assembleia do Sintero

A- A A+

Reproduzimos a matéria publicada no portal na internet do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia (Sintero) sobre denúncias de professores da escola militar Tiradentes que foram devolvidos à CRE (Coordenadoria Regional de Educação) por manifestar interesse em participar da assembleia estadual do Sindicato.


A Direção do Sintero recebeu denúncias de professores que foram devolvidos à CRE (Coordenadoria Regional de Educação) por manifestar interesse em participar da assembleia estadual no Sintero, que aconteceu nesta quinta-feira (20/02), em Porto Velho. Para o Sintero, essa atitude não condiz com o Estado Democrático de Direito e deve ser revisto.

De acordo com os servidores, inicialmente foi feito uma avaliação ao corpo docente da escola para elencar aqueles que estavam interessados em participar da assembleia do Sintero, visto que seriam tratados temas de interesse da categoria, como a luta pelo Fundeb permanente e do Piso do Magistério. No total, 10 professores manifestaram interesse e buscaram a Direção da escola para comunicar a ausência da sala de aula, a partir das 09:00, quando começaria a assembleia. Os professores também avisaram com antecedência a necessidade de comunicar os pais previamente.

No entanto, ao tomar conhecimento da ação dos professores, o Diretor Pedagógico do Colégio Tiradentes, professor Lourismar, levou a situação ao Diretor Geral, Capitão Pires, que imediatamente reuniu os servidores para informar que não estava de acordo com a decisão e que caso participassem da assembleia seriam devolvidos à Seduc. O capitão argumentou ainda que os servidores lotados em escolas militares não podem participar de paralisações, pois seguem regime diferente de outras escolas e que os mesmos devem se submeter à rotina, às normas e à decisão do oficial, por se tratar da maior autoridade hierarquicamente da escola.

Os servidores se sentiram coagidos, constrangidos e caracterizam a ação como assédio moral por parte do Diretor Geral, uma vez que, mesmo estando lotados em escola Militar, não fazem parte da organização e foram contratados como servidores civis.

A Direção do Sintero foi ao colégio Tiradentes juntamente com a assessoria jurídica para averiguar se o fato procedia. Na oportunidade, o sindicato argumentou que a Constituição Federal ampara a participação dos servidores em assembleias, conforme Art.9º. Além disso, a Direção explicou que não trata-se de uma paralisação e sim de uma assembleia, por isso, os professores podem optar por aplicar 50% da carga horária do dia e repor o restante da carga horária como sempre foi feito.

A Direção do Sintero também destacou que o quadro de professores da escola é composto por servidores da Seduc e, por isso, são regidos pela Lei 680/2012 e a Lei 68/1992, seguindo as mesmas normas das demais escolas. Destacou ainda, que há 31 anos, o Sintero reúne os seus filiados para propor e aprovar estratégias de luta em defesa de melhores remunerações e condições de trabalho, através de assembleias, e nunca houve relatos de comportamento como este em escolas militares. Também destacou que os professores sempre cumpriram com suas obrigações quanto à reposição de aulas. Desta forma, os alunos são seriam prejudicados.

Durante seu pronunciamento, o Capitão Pires, classificou a atitude como “vitimismo” por parte dos professores. Reafirmou que o colégio Militar não se submete a paralisações e a qualquer tipo de atividade nesse sentido. Disse que os servidores apenas o informaram sobre essa decisão, não respeitando a hierarquia da organização. O capitão disse ainda que considerou o comportamento dos servidores desrespeitoso e rebelde, e que este o colocou em uma situação de saia justa diante do sindicato. Mencionou que a situação não passou de um mal entendido, visto que os servidores não o informaram que seria apenas uma assembleia e nem a possibilidade cumprir 50% da carga horária.

A Direção do Sintero reiterou que não incentiva os servidores a não cumprir a carga horária estabelecida e apenas buscou o compromisso de que o direito do servidor de participar de assembleias tem que ser respeitado.

No entanto, logo após reunião com o Sintero, foi encaminhado ao Secretário de Estado da Educação, Suamy Vivecananda Lacerda de Abreu, um ofício com a devolução de todos os servidores que haviam se manifestado anteriormente. No documento, foi justificado que os servidores não possuem perfil profissional condizente com os valores, éticas e a legalidade profissional exigido pelos ditames das unidades do CTPM. Mas, o Sintero questiona a justificativa usada, uma vez que há professores com mais de 20 anos de atuação na escola que foram devolvidos e, até então, tinha o perfil ideal.

O Sintero teve acesso a áudios da reunião entre o Diretor Geral e os servidores, no qual os professores explicam que a atividade não configura como paralisação e sim, como uma assembleia. Os servidores argumentam ainda que iriam sugerir uma alternativa de cumprimento da carga horária, mas que o Diretor Geral nem se quer deu a oportunidade ao diálogo, contrariando a versão relatada pelo Capitão Pires.

O Sintero repudia a atitude da escola Militar por se tratar de uma ação ditatorial, arcaica e opressora, em que motivada por uma ação política, fere o direito constitucional dos profissionais. O Sintero repudia as declarações do Capitão Pires ao classificar como rebeldia, ações sindicais democráticas amparadas pela legislação e praticadas há 31 anos pela entidade, com profissionalismo e responsabilidade. Em todas as suas manifestações, o Sintero nunca motivou que os filiados faltassem com as obrigações estabelecidas. Por isso, não compactua com tais declarações a atos realizados. O Sintero ressalta que continuará lutando para que a democracia seja praticada em todos os espaços, principalmente nas escolas do Estado.

Link da matéria original: Professores da Escola Militar Tiradentes são devolvidos por manifestarem interesse em participar de assembleia do Sintero

Professores da Escola Militar Tiradentes foram devolvidos a CRE por manifestar interesse me participar de assembleias. Foto: Portal do Sintero

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza