Chile: Povo comemora quatro meses de rebelião com mais protestos

A- A A+

No dia 18 de fevereiro, marcou-se quatro meses desde o início da rebelião chilena contra o sistema de exploração e opressão, que foi comemorada com mais protestos desde a capital, Santiago, às cidades do interior. Em todo o país, foram registrados uma brutal repressão policial, e uma heróica resistência popular aos ataques dos agentes.

Santiago do Chile

Manifestantes protestam no chile contra sistema de exploração e opressão. Foto: Agência Uno

A praça Baquedano, popularmente conhecida como praça da Dignidade, foi o epicentro das manifestações do dia 18 de fevereiro. No local, após uma bárbara repressão policial, os manifestantes continuaram resistindo e enfrentando os agentes.

Puente Alto 

Manifestantes chilenos são reprimidos pela polícia.Fonte: Atón Chile

Já na cidade de Puente Alto, a sede da 20° Delegacia de Carabineros foi atacada pelos manifestantes com objetos contundentes, após meses de violenta repressão. Também aconteceram enfrentamentos entre manifestantes e a polícia na avenida Concha y Toro, o que obrigou o encerramento antecipado da estação plaza Puente Alto da Linha 4 do Metrô de Santiago. Além disso, um grupo das Forças Especiais entrou na Clínica Alejandro del Río para deter um manifestante ferido que estava em meio à um procedimento, e o retiraram detido do local.

Iquique

Em Iquique, foram feitas diversas barricadas pela cidade. Além disso, as massas, famintas e que não têm acesso à saúde de qualidade (devido à privatização de toda a saúde “pública” e os altos preços dos medicamentos) saquearam supermercados e farmácias de grandes empresas. Os carabineros tiveram de mobilizar e redobrar os seus esforços para cobrir a quantidade de saques realizados pela população empobrecida.

Antofogasta

Milhares de pessoas se manifestaram na cidade de Antofogasta, onde houveram bloqueios de estradas e semáforos que foram derrubados. Houve confrontos entre alguns manifestantes que acenderam barricadas e forças especiais de Carabineros que reprimiram com água e gás, através dos carros conhecidos como "zorrilhos", nas ruas do centro da cidade. Mais de 40 pessoas foram detidas.

Idosas apoiam as manifestações em Antofogasta, Chile. Fonte: Michel Artist via Instagram

Valparaíso

Em Valparaíso, manifestantes revoltados com o velho Estado atacaram o edifício da Câmara Municipal com coquetéis molotov, além de barricadas criadas em diversas partes da cidade. Durante a noite, houve confrontos entre os carabineros e manifestantes nas proximidades do bairro de Miramar.

Manifestantes colocam fogo em Câmara Municipal de Valparaíso. Fonte: NVR Chile

Puerto Montt

Na cidade de Puerto Montt, manifestantes insatisfeitos incendiaram a Governadoria Provincial de Llanquihue. Incapazes de conter a revolta popular, as forças da repressão pediram reforços aos Carabineros e aos bombeiros, entretanto, os manifestantes resistiram aos agentes.

Governadoria Provincial de Llanquihue é queimada por manifestantes. Foto: Cooperativa.cl

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira