Economia mundial em queda: coronavírus esconde a crise em gestação

A- A A+

Com cinco minutos de sessão aberta em Nova York, o Dow Jones Industrial caía 3,01%, em 873,66 pontos, ficando abaixo dos 29 mil pontos. Justin Lane/EFE

A produção industrial e as bolsas de valores do mercado financeiro desabaram na segunda quinzena de fevereiro em praticamente todo o mundo. O estopim, segundo propagandeia o monopólio de imprensa mundial, é a expansão do coronavírus, que converge com a crise de superprodução relativa de capital que já existe, ainda latente.

O principal afetado é o social-imperialismo chinês, onde o coronavírus mais espalhou e fez mais vítimas. São mais de 78 mil doentes e 2,7 mil mortos, a ampla maioria operários. Várias regiões do país estão em quarentena e algumas indústrias, segundo notícias veiculadas pelos monopólios de imprensa mundiais, fecharam completamente suas atividades até estabilizar o quadro de saúde pública, o que diminui a produção industrial, afetando em consequência as encomendas dos comércios e o consumo das famílias, ocasionando queda nos preços e prejuízo aos capitalistas chineses.

Como a China é uma das principais economias industriais do sistema imperialista, o medo de importar-se o vírus juntamente com as mercadorias produzidas (sejam mercadorias para consumo pessoal ou insumos e componentes de todos os tipos) obrigou vários países a diminuir os negócios com tal potência imperialista e dar férias coletivas a operários, o que obrigatoriamente também afeta, em menor escala, a capacidade de consumo das massas populares.

Para se ter ideia, a exportação de bens intermediários para eletroeletrônicos (como, por exemplo, peças para micro-ondas e uma infinidade de outros bens) corresponde a mais de 10% da produção global desse segmento. A paralisação da exportação chinesa nesse segmento é o mesmo que encarecimento geral da produção industrial de vários ramos.

Já a produção de smartphones deve cair pelo menos 12% no primeiro trimestre de 2020 se comparada ao mesmo período de 2019, segundo relatório da empresa de análise Trendforce. Esse será o pior resultado da produção do ramo em cinco anos para o primeiro trimestre. Outros ramos semelhantes, como produção de notebooks, monitores, televisões etc. também devem sofrer redução de produção em milhões de unidades.

Prejuízos à grande burguesia e imperialismo

Grandes monopólios internacionais já emitiram alertas sobre quedas na massa de lucro. A Apple, por exemplo, afirmou que não alcançará a meta de faturamento estipulada para o primeiro trimestre e atribuiu tal fato ao coronavírus. Mastercard, United Airlines, Toyota, Danone e outros monopólios fizeram alertas semelhantes.

A Petrobras, no Brasil, afirmou que terá dificuldades no primeiro trimestre em razão da queda no preço internacional do petróleo, resultante da baixa na produção industrial em alguns ramos da China dependentes dessa commodities. O monopólio do capital burocrático do Brasil vende 65% do petróleo para a China.

O capitalismo burocrático brasileiro, a propósito, teve queda na previsão de crescimento, escamoteada pelo coronavírus, sendo que na realidade é uma crise geral de decomposição. O mercado financeiro estimou em 2,2% o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país para este ano. Alguns bancos, no entanto, afirmam que a economia não crescerá mais do que 2%.

As indústrias instaladas no Brasil, como a fábrica da LG em Tatuapé (SP) e da Samsung e Motorola, em Campinas, paralisaram a produção por falta de componentes eletrônicos provenientes da China, como chips, circuitos integrados e outras peças. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), metade das empresas relataram ter problemas para receber os insumos e componentes vindos do social-imperialismo chinês.

Já o preço internacional de outras importantes comodities para o capitalismo burocrático brasileiro também está em queda livre. A soja, que representa mais de 30% das exportações para a China, é uma das mercadorias com forte queda nos preços, juntamente com o minério de ferro (21% das exportações).

Crise de superprodução relativa

A ocorrência do coronavírus é apenas um fato que precipita a paralisação de parte da produção de alguns ramos da indústria e a queda dos lucros de alguns desses ramos. Porém, atrás desse fato já há uma superprodução relativa de capital latente.

A crise de superprodução relativa de capital ocorre quando a produção de capital extrapola em demasia a capacidade de consumo da sociedade definido, em última instância, pela contradição entre o caráter social da produção e a apropriação capitalista do produto*.

Leia também: Aproxima-se uma nova crise de superprodução

Para se ter uma noção, o desemprego no USA atingiu um recorde de baixa: o índice é de 3,5% de desemprego, o que equivale praticamente a “pleno emprego” em outubro de 2019. É o menor índice dos últimos 50 anos, puxado pela diminuição na taxa de juros, que impulsiona a oferta de crédito para a produção industrial. Porém, em outubro, a criação de novos postos de trabalho na indústria diminuiu pela primeira vez em seis meses, embora a produção tenha crescido em novembro em 1,1%. Enquanto isso, o USA e a China elevam tarifas tributárias para as exportações uns dos outros, buscando proteger seus mercados consumidores por medo de não ter para onde escoar suas mercadorias e capitais.

Tudo isso são sinais de que a produção já sobrepassou os limites da capacidade de consumo, produção que segue sendo impulsionada para além do limite da capacidade de consumo devido ao crédito e ao sistema financeiro, criando as famosas “bolhas especulativas”.

 Nota:

* É a contradição fundamental do capitalismo. Consiste em que a produção é cada vez mais socializada, isto é, aumenta a divisão do trabalho, a interdependência dos ramos de produção, da grande indústria, do número de operários em cada fábrica e em toda a sociedade em comparação com os setores médios – fato que eleva a produtividade do capitalismo na sociedade; porém tal socialização confronta-se com os limites da apropriação capitalista, na qual ao proletariado é concedido apenas uma pequena parte do produto de seu trabalho (na forma de salário), que, por sua vez, deve ser apenas o mínimo necessário para sua sobrevivência visando garantir uma maior mais-valia ao capitalista, que se apropria do resto do produto para reinvestir a maior parte na produção para não ser engolido pela concorrência, elevando ainda mais a produtividade. Tal apropriação capitalista (relações de produção capitalistas), que limita o consumo das massas populares, entra em choque com a tendência ao crescimento sem limites da produção capitalista (caráter social da produção que eleva o desenvolvimento das forças produtivas). O ápice dessa contradição gera a crise de superprodução relativa de capital. Assim F. Engels, em Anti-Dühring, define a marcha das crises: “O comércio paralisa, os mercados ficam superlotados de mercadorias, os produtos paralisam nos armazéns, sem encontrar saída; o dinheiro circulante torna-se invisível, o crédito desaparece, as fábricas fecham, as massas carecem de meios de vida, precisamente por haverem produzido em demasia os meios de vida, e por todos os lados vêm-se falências, insolvências e liquidações. A paralisação dura anos inteiros, as forças produtivas e os produtos desperdiçam-se e destroem-se em massa até que, por fim, à força de tanto depreciar-se, as mercadorias encontram uma saída e a produção e o intercâmbio vão se reanimando pouco a pouco. Paulatinamente, a marcha se acelera, o passo de passeio converte-se em trote, e de trote industrial em galope e, finalmente, numa desenfreada e vertiginosa carreira industrial, comercial, bancária e especulativa, para terminar, depois dos saltos mais arriscados... na fossa de um novo crack!”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira