Índia: Ataque terrorista de fascistas hindus mata mais de vinte pessoas

A- A A+

Homem muçulmano é violentamente espancado por grupos fascistas hindu, em bairro de periferia de Nova Deli. foto: Danish Siddiqui/Reuters

Bairros de periferia de Nova Deli, tradicionalmente povoados por muçulmanos, foram invadidos massivamente por grupos fascistas hindus, que promoveram terror nos locais durante três dias (do dia 23 de fevereiro ao dia 26), deixando mais de 20 mortos e quase 200 feridos. Os ataques começaram um dia após o líder do Partido Bharatiya Janata (BJP), Kapil Mishra, “advertir” manifestantes para que acabassem os protestos contra a lei “anti-muçulmana” nas áreas de Jafrabad e Maujpur (umas das afetadas pelo ato terrorista do governo), na capital indiana.

Desde o final do ano passado, os muçulmanos protestam contra uma lei de cidadania que os discrimina, além de resistirem ao constante chauvinismo promovido e incentivado pelo partido do governo de turno BJP contra os povos muçulmanos na Índia. Os muçulmanos dizem que a Lei de Emenda da Cidadania (LEC) faz parte da agenda fascista de “supremacia hindu” do primeiro-ministro Narendra Modi.

Uma mesquita, inclusive, foi incendiada em Nova Deli no dia 25 pelos fascistas. O site indiano The Wire relatou que uma multidão gritando Jai Shri Ram, traduzido como “Saudações ao Senhor Ram” (deus hindu), parou ao redor da mesquita em chamas na área de Ashok Nagar, na capital. Imagens de vídeo compartilhadas na internet mostraram uma multidão subindo ao topo do minarete da mesquita, onde eles tentaram plantar uma bandeira de açafrão, uma faixa associada a grupos hindus de extrema-direita.

Uma mesquita (assim como lojas locais) é queimada durante um ataque fascista a bairros muçulmanos em Nova Deli. Uma bandeira com símbolo da extrema-direita é colocada no seu topo. Foto: Sajjad Hussain/ AFP

Também, de acordo com os feridos, os fascistas perseguiam por entre a multidão os que se vestiam como muçulmanos ou tinham o seu fenótipo, e então os espancava. Pequenas lojas e mercearias cujos donos eram muçulmanos, assim como carros, foram incendiados e, de acordo com médicos nos hospitais locais, vários dos feridos estavam feridos à bala.

Um dos baleados foi obrigado pelos fascistas a cantar o hino nacional indiano e, mais tarde, foi morto.

Um dos homens baleados é obrigado a cantar o hino nacional da Índia durante ataque fascista

Vários jornalistas cobrindo o ataque também foram espancados pelos fascistas em vários locais: “Dois dos meus colegas, Arvind Gunasekar e Saurabh Shukla, foram duramente espancados por um grupo em Delhi; eles só pararam de espancá-los depois de perceberem que seriam do ‘nosso povo, os hindus’. Absolutamente desprezível”, escreveu o jornalista Nidhi Razdan na internet.

No dia 24, uma loja de pneus em um dos bairros muçulmanos foi incendiada. Um vídeo postado na internet mostrou multidões de homens gritando Jai Shri Ram enquanto eles iam em alvoroço, de acordo com o monopólio de imprensa AFP.

Homem é espancado durante um confronto entre pessoas que apoiam a nova lei de cidadania e aqueles que se opõem à lei, em Nova Deli ( Foto: Danish Siddiqui/Reuters]

Após o ataque massivo, a polícia impôs uma restrição a grandes concentrações no nordeste de Delhi, à medida que surgiam relatos de ataques com pedras à população muçulmana e mais estruturas sendo incendiadas. O velho Estado indiano também decretou um toque de recolher, colocou o Exército e destacou mais policiais para as áreas especificamente muçulmanas (onde também ocorriam os protestos contra a LEC), dizendo que seria para “controlar a violência”. Apesar disso, muitos moradores acusam a polícia de cumplicidade com os fascistas, tendo em mente que, durante os picos de violência, nenhum policial tentou intervir.

Também, vídeos divulgados mostram moradores das regiões afetadas deixando suas casas, com medo de um novo ataque.

O ato terrorista aconteceu enquanto o presidente americano ultrarreacionário Donald Trump chegou à Índia para uma viagem de dois dias, sendo que o presidente ianque e o primeiro-ministro indiano realizaram uma reunião em um local localizado a poucos quilômetros de onde ocorreram os confrontos.

O BJP nega qualquer preconceito contra a “minoria” muçulmana indiana de mais de 180 milhões de habitantes (um terço da população), entretanto, a prática do partido eleitoreiro mostra o contrário.

A emenda ‘anti-muçulmana’

O novo projeto de lei, que tem sido conhecido amplamente como emenda “anti-muçulmana’ no país, faz parte da movimentação corporativa fascista do governo de turno de Narendra Modi, que não tenta prevenir em nenhuma medida a violência contra a população muçulmana, e inclusive incentiva e propaga o chauvinismo hindu, como forma de conseguir apoiadores ao seu governo de turno.

Em janeiro e fevereiro de 2020, durante a onda de protestos contra a LEC, dois homens com ligações diretas à extrema-direita atiraram indiscriminadamente contra pessoas que se manifestavam contra o chauvinismo e discriminação do povo muçulmano.

Em dezembro de 2019, a Universidade Jamia Millia Islamia (JMI) foi atacada por grupos fascistas e por agentes da repressão, promovendo terror contra os estudantes, na universidade islâmica. O grupo que levou a cabo esse ataque é conhecido por ter ligações diretas ao partido do governo de turno, BJP. Depois, em janeiro de 2020, a Universidade de Jawaharlal Nehru (JNU) sofreu um ataque similar, também orquestrado por grupos de extrema-direita, com a conivência dos policiais, que não impediram em nenhum momento as agressões.

Em agosto do ano de 2019, despojou o estado majoritariamente muçulmano de Jammu e Caxemira de seu status autônomo, essencialmente dando ao velho Estado mais controle sobre os assuntos da região.

Nesse mesmo mês, o governo de turno começou a construir campos de concentração para a população pobre e muçulmana do país, através da “lista final do Registro Nacional dos Cidadãos”, que arrancou a cidadania de milhares de indianos bengalis e muçulmanos, assim como de indianos hindus pobres e camponeses, que não tinham a extensa documentação necessária para comprovar sua cidadania

E, em novembro, o Supremo Tribunal da Índia autorizou os hindus a construir um templo num local sagrado, disputado e secular, que tem significado tanto para os hindus como para os muçulmanos. A decisão sobre o local de Ayodhya foi vista como um ataque contra os muçulmanos, e surgiu numa altura em que estes se encontram cada vez mais segregados na sociedade.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza