CE: PMs invadem escolas públicas do Ceará e agridem estudantes em meio à crise militar

A- A A+

Duas escolas públicas, localizadas em Fortaleza, capital do Ceará, foram alvos de repressão e ocupação militar por parte de policiais e seus respectivos familiares "grevistas", que se recusam a deixar a instituição e permitir a normalização das aulas para os alunos mesmo após a decretação do fim do motim no estado. 

A primeira instituição pública de ensino envolvida na crise militar pela qual passa o Estado, foi a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) José Bezerra de Menezes, que foi invadida e ficou ocupada desde o dia 20 de fevereiro por policiais militares "grevistas" - leia-se amotinados -  os quais arrombaram o cadeado da instituição de ensino e invadiram a escola, inviabilizando a realização das aulas.

A Secretaria da Educação do Estado (Seduc) chegou a enviar um ofício ao comandante da 10ª Região Militar (10ª RM), o general Cunha Mattos, solicitando apoio do Exército para garantir a normalização do funcionamento da escola. Segundo o ofício enviado pela Seduc, a instituição de ensino possui 565 estudantes matriculados e os policiais amotinados ocupavam um bloco de cinco salas de aula, além da cozinha e dos banheiros que são utilizados pelos alunos. Em resposta, o Exército comunicou que não poderia atuar na reintegração de posse da escola.

Os policiais votaram pelo fim do motim no dia 1º de março e começaram a desocupar os batalhões e a Escola José Bezerra de Menezes a partir do dia 2. O Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios (Apeoc) lançou duas notas denunciando os acontecimentos em que escolas públicas estaduais foram envolvidas: "O Sindicato [...] APEOC, vem por meio desta nota repudiar veementemente a invasão e ocupação do espaço da Escola Estadual José Bezerra de Menezes, situada na Rua Anário Braga, próxima ao 18º Batalhão da Polícia Militar, que teve o cadeado arrombado na entrada e foi invadida."

A nota continua: "não podemos conceber ultrajante ação contra a Educação Pública Cearense, a liberdade e a democracia. Diante dos prejuízos pedagógicos, riscos de segurança, cerceamento do processo de ensino e aprendizagem aos quais estão submetidos profissionais da Educação, alunos e pais, tomaremos todas as iniciativas necessárias para libertar a Escola José Bezerra de Menezes do espectro do obscurantismo, da repressão e da intimidação feita por homens que deveriam resguardar a lei e a ordem democrática."

PM-CE comete seu primeiro ato de truculência em escola pública após o fim o motim

Estudantes e funcionários da Escola Estadual de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTI) Waldemar Falcão foram vítimas de uma abordagem violenta e absurda, ainda mais em se tratando para uma instituição pública de ensino. 

O Sindicato Apeoc denunciou: "Inaceitável a postura da Polícia Militar, na ação truculenta ocorrida na manhã da segunda-feira (02/03), na referida Escola. A instituição de tempo integral foi surpreendida com uma equipe da PM pedindo autorização para entrar em uma sala de aula, com o argumento de um diálogo com os educandos sobre supostos gestos e xingamentos proferidos contra eles policiais. No entanto, para surpresa de todos, o que se viu foi uma abordagem grotesca para o ambiente escolar, os garotos foram colocados contra a parede, revistados, dado buscas em seus pertences enquanto ouviam palavras de chulas e ofensivas por parte da força policial. Uma situação que expôs a coordenação a um sentimento de impotência sobre a ação, onde todos ficaram em estado de choque com a cena."

Em meio à uma aguda crise política, jurídica e militar e na esteira das grandes pugnas entre frações de grupos das classes dominantes e as forças policiais do Estado burguês-latifundiário, nosso povo sofre com mais repressão e violações de direitos básicos, mesmo dentro de escolas públicas. A resposta para tal situação é a luta consequente, sem as amarras dos setores imobilistas do movimento sindical e estudantil, o único caminho pelo qual as massas podem encontrar os meios possíveis para se defender de toda a reação violenta e antipovo do aparelho de repressão do estado.

Encerrado o motim, a polícia militar voltará a fazer o que sempre fez na história de nosso país: reprimir a ferro e fogo as lutas populares, principalmente aqueles que ousarem ultrapassar os limites impostos pelas classes dominantes para a luta do povo.

Veículos da Polícia Militar com pneus furados foram deixados em frente ao portão da escola ocupada pelos PMs. Foto: José Leomar/SVM

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira