MS: Cultura Hip Hop vive!

A- A A+

Nós, a Organização da Batalha da 50, viemos divulgar o evento de mobilização ‘Cultura Hip Hop Vive!’, que teve como objetivo denunciar o descaso da prefeitura com a praça do Cinquentenário, onde ocorre as batalhas. No dia do evento, o grupo de jovens da comunidade Hip Hop de Dourados-MS realizaram gravações mostrando a situação precária que se encontra a praça, como também, a falta de banheiros para a realização das necessidades básicas de saúde. Por conta disso, as pessoas que vão a praça são obrigadas a utilizar o “depósito” ou outros lugares indevidos para fazerem suas necessidades sujeitando os frequentadores a uma situação humilhante!

Foram realizadas conversas com o objetivo de impulsionar e incentivar a mobilização da a juventude local sobre a importância de reivindicar seus direitos. Os MC’s compartilharam suas experiencias a respeito da cena do Hip Hop e ressaltaram a repressão dos policiais, assim como, os estereótipos propagandeados pela ideologia dos patrões que os classifica como marginais, bandidos, drogados e outras coisas degradantes. A Organização da Batalha da 50, assim como, a comunidade e apoiadores do movimento hip hop local, exige que a prefeitura realize a revitalização da praça, sendo um direito nosso e de toda a sociedade ter acesso aos banheiros para fazermos nossas necessidades básicas; luz, pois, utilizamos o local durante o período noturno e sem ela somos criminalizados, de modo que com a falta de iluminação pública ficamos vulneráveis à assalto, estrupo, assédios, sequestros e etc. O abandono dos políticos da região, que só surgem quando é conveniente para seus interesses, demonstra a ignorância deles para a Cultura Popular construída na cidade.  

 A cultura hip hop existe como forma de luta das classes oprimidas e exploradas, a qual visa denunciar e expressar o descaso da sociedade para convosco, o abuso de poder partindo de policiais em todo o mundo, o abuso de poder do governo e, sobretudo, conscientizar a comunidade a respeito do verdadeiro caráter do Estado. Para combater todos os abusos utiliza-se a arte, sendo elas: a poesia (rimas ou músicas tento como estilo o rap), o grafite (pinturas em paredes), o Dj (beatmakers e afins) e o b-boy/ b-girl (dançarinos/as). Nós da comunidade Hip Hop Dourados-MS, não nos calaremos e não aceitaremos a criminalização do nosso movimento por conta do descaso da prefeitura pelas praças e outros setores públicos de nosso povo. A Cultura Hip Hop Vive e com ela seguiremos!

RAJADA DE RIMA FERE MAIS QUE UMA GLOCK, EU AMO O HIP HOP!

RESISTIR, LUTAR COM A CULTURA POPULAR!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza