Boletim do MFP: 'Viva o 8 de março! Dia Internacional da Mulher Trabalhadora!'

A- A A+

Reproduzimos a seguir matéria publicada no blog do  Movimento Feminino Popular (MFP) por ocasião dia 08 de março de 2020.  Este e outros artigos sobre a questão da mulher podem ser lidos na página do MFP: http://brasilmfp.blogspot.com/

Baixe aqui o Boletim completo do dia Internacional da Mulher Trabalhadora, 2020, para impressão, nas versões A4 e A3


Mobilizações contra o governo Bolsonaro e seus Generais - contra a "reforma trabalhista e " "reforma da previdência", 14 de março de 2019.

O Movimento Feminino Popular saúda efusivamente a nossa gloriosa classe proletária em todo o mundo e especialmente as mulheres do povo, afirmando decididamente que este é o dia internacional das mulheres do povo e não de todas as mulheres, como todo o feminismo burguês/pequeno-burguês alardeia juntamente com as agências do imperialismo, os governos reacionários os partidos burgueses, pequeno-burgueses e demais revisionistas e oportunistas.

Saudamos orgulhosas de nossa condição feminina a todas as mulheres do nosso heroico povo, as operárias, as camponesas, as trabalhadoras do comércio, do transporte e demais serviços, as trabalhadoras funcionárias públicas, as trabalhadoras domésticas e donas de casa, as estudantes, as profissionais liberais, intelectuais e artistas progressistas, saudamos as jovens, as adultas e anciãs.

Neste grandioso dia queremos glorificar a memória das heroínas de nossa classe e exaltar seu exemplo na figura das grandes dirigentes comunistas, a chinesa Ching Ching e a peruana Augusta de La Torre.

Saudamos as mulheres de nosso povo, reverenciando a memória das combatentes, que na história da luta de classes no Brasil dedicaram suas vidas à revolução. Sobretudo àquelas que encarnaram de forma mais profunda a ideologia do proletariado e, de armas nas mãos, lutaram contra o regime militar fascista, pela destruição do velho Estado latifundiário burocrático e pela Nova Democracia, pelo Socialismo e o Comunismo em todo o mundo, como as intrépidas combatentes da Guerrilha do Araguaia, militantes do Partido Comunista do Brasil.

Saudamos as mulheres proletárias e as massas populares que combatem de armas nas mãos em Guerras Populares, dirigidas por partidos comunistas maoistas no Peru, Índia, Turquia, Filipinas e nas guerras de libertação no Oriente Médio e demais países dominados pelo imperialismo.

Saudamos a fundadora do Movimento Feminino Popular, Sandra Lima, falecida em 27 de julho de 2016 e que completaria 65 anos neste 6 de março. Seu incansável exemplo de luta e sua convicção de que só uma grande Revolução transformará o nosso Brasil.

Afirmamos nossa fé inabalável na luta por construir uma nova sociedade e reafirmamos nosso compromisso de seguir lutando ombro a ombro com os homens de nossa classe, mobilizando, politizando e organizando contingentes de mulheres, cada vez maiores, através da luta pelas reivindicações mais sentidas do povo e específicas da condição de dupla exploração e opressão de suas mulheres e principalmente da luta política pela destruição deste velho e genocida Estado de latifundiários e grandes burgueses serviçais do imperialismo, principalmente ianque (norte-americano), ampliando e fortalecendo a luta pela Revolução de Nova Democracia, único caminho para a verdadeira emancipação da mulher. Juramos seguir lutando pela elevação da consciência política das mulheres e homens de nosso povo sobre a questão da opressão feminina, pela superação da ideologia burguesa de desvalorização da mulher e despertar a fúria milenar das mulheres como poderosa força para a revolução. Como mulheres trabalhadoras sofremos dupla exploração, recebemos salários menores do que dos homens para as mesmas funções, temos dupla jornada por que somos as que cuidamos da casa, das crianças e da família, somos tratadas como objeto de prazer, discriminadas somos alvo de abusos e todo tipo de violência. Mas por isto somos potencialmente mais revolucionárias.

O Movimento Feminino Popular atua em todas as lutas por demandas específicas dos trabalhadores da cidade e do campo, incentivando a participação das mulheres, com base no princípio de unir toda a classe operária e demais massas populares, ligando as lutas de resistência econômica e por direitos, bem como as reivindicações específicas femininas à luta pela Revolução de Nova Democracia.

Convidamos todas as mulheres inconformadas com toda essa situação a conhecer o MFP, pois acreditamos que o aumento da mobilização, politização e a organização das mulheres de nosso povo, como parte fundamental e decisiva da luta revolucionária. Nós mulheres trabalhadoras devemos tomar consciência dos profundos problemas de nossa sociedade, conhecer a história de luta das massas populares, particularmente das massas femininas e das heroínas de nossa classe e nos organizarmos para destruir, junto com esta velha sociedade de exploração e opressão, todo o ódio destilado e lançado contra as mulheres do povo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira