Vitorioso Encontro do Movimento Feminino Popular celebra o 8 de março no Norte de Minas

A- A A+

Reproduzimos nota do site do Movimento Feminino Popular (MFP), Este e outros artigos sobre a questão da mulher podem ser lidos na página do MFP: https://brasilmfp.blogspot.com/



No dia 08 de março realizou-se com muito êxito, o encontro de núcleos do MFP em Varzelândia. O Encontro foi precedido da panfletagem do material celebrativo nas comunidades e estava sendo esperado com muita expectativa pelas companheiras remanescentes quilombolas que desde o ano passado fizeram o convite para as lideranças da LCP, que se realizasse uma atividade com as companheiras. Antes da chegada das lideranças do MFP, as companheiras estavam muito preocupadas, pois com as chuvas constantes, as estradas na região estão muito ruins e quase impassáveis.

Mas nada disso impediu as 60 companheiras e 15 crianças de chegarem até a Escola onde se realizou a atividade; algumas foram de moto, outras pegaram carona e a maior parte chegaram a pé. Participaram companheiras de várias comunidades locais. Dois companheiros da LCP ficaram no apoio logístico e tudo se realizou conforme o programado.


O Encontro que contou com muita vibração e combatividade foi a primeira reunião do MFP para a maior parte destas companheiras, mas a questão feminina, o problema da situação política atual e a luta pela terra e a celebração do 8 de março (nossa pauta) são temas comuns entre as companheiras, porque todas estão inseridas na luta pela terra e de alguma forma, já participaram de debates no movimento da luta dos remanescentes quilombolas pela tomada e defesa do território Brejo dos Crioulos, na luta pela autoafirmação do povo preto, enfim na luta de classes contra o latifúndio e o velho Estado brasileiro. Assim também, têm chegado à muitas delas a propaganda da Revolução Agrária por meio de contato direto e atividades conjuntas de manifestações e atos políticos junto aos companheiros e companheiras da LCP e do MFP.

Na mesa do Encontro, três companheiras se revezavam na condução da pauta que iniciou com uma saudação classista, a apresentação dos objetivos da reunião e do MFP e a canção Lutadoras da Revolução seguidas das consignas “Viva o MFP”, “Viva o 8 de março, dia internacional da mulher trabalhadora!” e “Despertar a fúria revolucionaria da mulher”. Os contundentes vivas! vivas! vivas! expressavam o vigor e toda receptividade das anfitriãs para com as companheiras que haviam enfrentado a lama e outras dificuldades para se reunir com elas. Rapidamente todas já haviam aprendido o refrão da canção revolucionária. Uma companheira explicou o que significava “despertar a fúria revolucionaria da mulher”. Todas ouviam atentas e muitas repetiam o gesto de punho cerrado ao alto.

Durante o encontro foi realizado uma homenagem à companheira Sandra Lima, apresentando sua biografia e diante do banner com sua foto, levantamos alto, mais uma vez, a sua grande causa: a defesa da Revolução Democrática, ininterrupta ao Socialismo em nosso país, rumo ao luminoso Comunismo para transformação da nossa sociedade e a emancipação da mulher. Celebramos o que seriam os seus 65 anos e saudamos sua memória gloriosa, sua fé inabalável na revolução e seu exemplo para todas nós.

A companheira jovem que estava na mesa, também fez uma saudação classista às companheiras e defendeu a história e simbologia do 8 de março, reafirmando que este não é o dia de todas as mulheres e fazendo a propaganda do 8 de março de 1917, reverenciando a Grande Revolução Socialista de Outubro.

Depois da discussão sobre a violência contra as mulheres, feita com a leitura do texto, em que as companheiras falaram com preocupação sobre o aumento deste tipo de violência em suas comunidades, (ainda que genericamente pois é um tema sensível e que gera muita polêmica por expor problemas familiares), voltamos a discutir sobre o papel do MFP e propusemos que as companheiras nos ensinassem uma canção de luta dos quilombolas, elas cantaram para nós “Nêgo Nagô”, ficamos muito agradecidas pela confiança e cantamos para elas “Bela Chao” e “Conquistar a terra” que encerramos com as consignas de “é terra é terra, pra quem nela trabalha e viva agora já a Revolução Agrária! É morte, é morte, ao latifundiário e viva o poder camponês e operário!” “Companheira Sandra Lima: Presente na Luta!” e uma companheira quilombola bradou orgulhosa: “Viva o nosso dia!”

Ao final do encontro fizemos uma singela confraternização e comemos milho verde cozido, queijo e tomamos café com leite. Registramos uma foto com algumas companheiras e distribuímos os materiais para levarem para seus companheiros e suas vizinhas. Como não poderia deixar de ser, fizemos o compromisso de retornar e todas se abraçaram efusivamente com um sorriso aberto e um até breve companheiras!

Viva os 25 anos do Movimento Feminino Popular!

Viva a nossa grande fundadora e dirigente Sandra Lima!

Viva o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora!

Viva o nosso dia!

Link para o site: Vitorioso Encontro do Movimento Feminino Popular celebra o 8 de março no  Norte de Minas


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza