AM: Após reforma trabalhista IBGE constata desemprego avanço do trabalho informal na Amazônia.

A- A A+

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou em fevereiro de 2020 os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). A pesquisa constata que no ano de 2019 o aumento da população ocupada ocorreu pelo aumento do trabalho informal, ou seja, as promessas de melhorias realizadas pelo velho Estado por meio da reforma trabalhista não ocorreram ao longo desses três anos e, além disso, as condições trabalhistas só pioram.

A soma dos trabalhadores sem carteira, trabalhadores domésticos sem carteira, empregador sem CNPJ, conta própria sem CNPJ e trabalhador familiar auxiliar alcançou seu nível mais elevado desde 2016 não apenas na média nacional, como também nos 20 estados. Na Amazônia apenas o Acre não atingiu a maior taxa, contudo, está bem acima da média nacional.

Vários trabalhadores estão recorrendo ao trabalho informal como forma de sobrevivência. Foto Ricardo Oliveira/Fapeam

A analista da pesquisa do IBGE, Adriana Beringuy, informa que a redução do desemprego está diretamente relacionada com o avanço do trabalho informal praticamente em todo o país que, atualmente, atinge cerca de 38 milhões. 

“Mesmo com a queda no desemprego, em vários estados a gente observa que a taxa de informalidade é superior ao crescimento da população ocupada. No Brasil, do acréscimo de 1,819 milhão de pessoas ocupadas, um milhão é de pessoas na condição de trabalhador informal. Em praticamente todo o país, quem tem sustentado o crescimento da ocupação é a informalidade. E, com o trabalho informal, diminui a contribuição previdenciária”, disse.

Os dados do IBGE apontam que o Amazonas possui 1.657 milhão de pessoas no montante da força de trabalho e, destes, 967 mil são trabalhadores informais. A pesquisa aponta um grande número de trabalhadores domésticos informais no estado, cerca de com 61 mil e, de um total de 73 mil trabalhadores assalariados, apenas 12 mil possuem carteira assinada.

Um dos supervisores do IBGE no Amazonas, Adjalma Nogueira, relata que o Amazonas possui muitos trabalhadores informais e isso ocorre pelo desemprego. “O percentual de trabalhadores informais no Amazonas é bem acima da média nacional, e bem acima de alguns outros estados. Então, nós temos um quantitativo de trabalhadores na informalidade muito alto. Muitos trabalhadores estão migrando para a informalidade porque perderam seus postos de trabalho normal. Portanto, eles estão indo para informalidade para poder ter um ganho, um recurso, um rendimento, já que os postos formais diminuíram sensivelmente nos últimos anos. Geralmente, quando você compara um trabalhador informal, com um trabalhador com carteira assinada, certamente, vai ter uma diferença muito grande em relação ao trabalhador informal. Portanto, a maioria dos informais está numa condição assalariada menor que o trabalhador formal”.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira