SP: Rebeliões em presídios explodem contra coronavírus e condições subumanas

A- A A+

Cerca de 1.379 presos fugiram de quatro unidades prisionais do estado de São Paulo durante rebeliões, no dia 16 de março. As rebeliões dos internos ocorreram após a Corregedoria-Geral da Justiça suspender a saída temporária dos presos em regime semiaberto. A saída estava prevista para ocorrer no dia 17/03.

Cerca de 400 detentos fugiram de uma unidade prisional em Mongaguá, na Baixada Santista, no dia 16/03. Houve ainda rebeliões em mais quatro presídios do interior de São Paulo: Tremembé, Mirandópolis, Porto Feliz e Sumaré.

Em Mongaguá, 400 presos fugiram do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) Dr. Rubens Aleixo Sendin, no litoral de São Paulo. Em um vídeo que circula nas redes sociais é possível ver centenas de presos correndo. O CPP é de regime semiaberto, e os presos rebelaram-se após cancelamento da saída. O complexo, que tem capacidade para 1.640 presos, estava com 2.796, um total de 1.156 presos a mais do que a capacidade, segundo o site da própria Secretaria de Administração Penitenciária (SAP). Parentes dos presos disseram à reportagem que não há água, que a comida está estragada e que há percevejos no local. Os detentos reclamam da superlotação.

Em Tremembé, detentos iniciaram no fim do dia 16 uma rebelião no presidio, Dr. Edgar Magalhães Noronha (Pemano) e houve fuga dos internos, receosos com a pandemia. Atualmente o Pemano, como é conhecido, tem capacidade para 2.672 detentos e a população carcerária no local é de 3.006 presos.

Em Mirandópolis, interior paulista, houve também rebelião de detentos do regime semiaberto. A SAP informou que 16 reeducandos participavam da ação e atearam fogo em seus pertences. Nove detentos ficaram feridos durante a rebelião. Os presos queimaram colchões durante a rebelião.

Em Porto Feliz, também no interior, 361 presos fugiram do CPP durante a rebelião e foram recapturados. Durante a fuga os detentos colocaram fogo em um canavial próximo da unidade prisional. Outros incendiaram colchões. Houve relato de tiros e bombas usados pelas forças de repressão do velho Estado. O CPP de Porto Feliz, abriga 1.825 detentos em regime semiaberto. Na unidade prisional de Sumaré, também no interior, de acordo com a pasta, teve também rebelião e fuga. 

Todos os internos participaram das rebeliões das unidades em Mongaguá, Porto Feliz, Tremembé, Mirandópolis e Sumaré são do regime semiaberto e viviam em condições desumanas e de superlotação. 

Vídeo mostra presos fugindo pela porta da frente do presídio de Mongaguá. Foto: Redes sociais

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza