BA: Funcionários de call center protestam contra péssimas condições de trabalho

A- A A+

Trabalhadores de call center protestam em Salvador. Foto: Raphael Marques / TV Bahia

Trabalhadores e trabalhadoras de uma empresa de call center do bairro Cabula, em Salvador, fizeram uma manifestação na manhã do dia 19 de março para exigir melhores condições de trabalho durante a pandemia de coronavírus. Eles, envolvidos em funções de telemarketing, denunciam que as pessoas além de trabalharem muito próximas ainda são expostas com a falta de álcool em gel e sabão para a higienização. A manifestação ocorreu na rua Silveira Martins, a principal do bairro, no pátio da empresa.

Alto fluxo de pessoas, guichês muito próximos, compartilhamento dos materiais de trabalho como microfones, teclados e mouse, além de transportes públicos lotados para chegar no trabalho são algumas das condições a que são submetidos os trabalhadores durante a pandemia.  Essa é a realidade esquecida de milhares de trabalhadores do telemarketing.

Um trabalhador da área, que preferiu não se identificar, denunciou “Comecei a trabalhar há poucas semanas no telemarketing, quando a contaminação pela coronavírus estava ainda muito inicial no Brasil, já alarmava o mundo. Em primeiro lugar, a seleção é feita em salas de 10 a 15 m ², com mais de 50 pessoas. A seleção durou das 09:00 até as 14:00 e teve gente que ficou em pé, durante boa parte do tempo. Não tinha cadeiras para todo mundo e o lugar era muito apertado. Como a rotatividade é alta pelas condições de trabalho, as seleções ocorrem todos os dias em dois horários. Milhares de jovens tentam a todo custo um emprego precário, mas nem todos conseguem entrar. A empresa expõe todos ao risco do coronavírus. No treinamento a situação não foi diferente, éramos 35 pessoas em uma sala um pouco maior, mas ainda assim muito perto um do outro, inclusive é motivo de brincadeira estarmos ali o dia inteiro, passando o vírus um para o outro. Não nos pagam alimentação e transporte na primeira semana, o salário é muito baixo por isso ninguém quer faltar ou reclamar da situação, a maioria que está ali são jovens que acabaram de sair do ensino médio e tentam o primeiro emprego. Existem mães, pais, pessoas com mais de 50 anos que foram recentemente demitidos em meio à crise econômica que precisam de algo a todo custo. Ninguém quer faltar, pois se desconta ainda mais no pequeno salário. O que gera mais raiva é que a empresa liberou toda a chefia para fazer home office, trabalhar em casa, como prevenção contra a contaminação do coronavírus. Mas nada é falado aos operadores, as ligações e reclamações continuam a mil, expondo milhares de jovens a contaminações, que assim podem contaminar mais pessoas nos trens e metrôs lotados, familiares e etc. Além de ganharmos mal e irmos trabalhar com medo de contrair o vírus não podemos faltar, já que se faltamos é descontado no já pequeno salário. Enquanto isso, a chefia está tranquila em casa”, relatou o jovem revoltado.

Durante a manifestação, além da melhoria, os profissionais também pediram a suspensão das atividades sem impacto para os trabalhadores.

O setor de telemarketing é conhecido pela alta exploração e más condições de trabalho, o que deve piorara ainda mais com a pandemia do coronavírus. Foto : Banco de Dados AND.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza