Crise mundial imperialista gera onda de demissões no USA

A- A A+

Buscando contrarrestar a crise cíclica de superprodução que já se iniciou, Donald Trump e o Senado ianque aprovaram um pacote de 2 trilhões de dólares para estimular a economia. 

Na semana do dia 16 de março o número de pedidos de seguro-desemprego no Estados Unidos (USA) atingiu 3 milhões e indica o fim do ciclo de expansão da economia imperialista ianque após a crise de 2008 e o início da mais nova crise cíclica de superprodução em meio à crise geral de decomposição.

Uma semana antes de atingir esse número, o seguro-desemprego constava apenas 282 mil solicitações. O crescimento do pedido de seguro-desemprego, em uma semana, cresceu aproximadamente 1.063%, segundo dados do monopólio de imprensa mundial Reuters.

Tal volume de novos pedidos de seguro-desemprego em uma semana já supera o número de pessoas que atualmente recebem. Hoje, no USA, praticamente 2 milhões de trabalhadores recebem seguro-desemprego e, se forem aprovados os pedidos dos novos desempregados, tal valor saltará a cerca de 5 milhões.

O número de novos pedidos também supera o recorde anterior. Em 1982, em uma semana durante uma das crises de superprodução em meio à crise geral, 695 mil novas pessoas pediram ingresso no programa, número até então recorde.

O aumento de pedidos de seguro-desemprego reflete as demissões que ocorrem na economia real, em queda devido à crise catastrófica de superprodução de capital em meio à crise geral de decomposição, crise mundial precipitada pelo coronavírus que paralisou boa parte da circulação do capital.

No entanto, a crise de superprodução relativa de capital é resultado do crescimento desproporcional da produção capitalista (orientada para o lucro e não às necessidades) muito além da capacidade de consumo social, problema resultante da contradição entre a socialização da produção e a apropriação capitalista do produto.

As mercadorias socialmente produzidas e o capital acumulado não encontram, devido à apropriação privada capitalista, mercados para se expandir, contradição que só pode ser parcialmente resolvida através das crises e da destruição de forças produtivas (capital, fábricas, ferramentas e destruição, pela fome e pela pauperização, de parte dos próprios trabalhadores desempregados), para logo reaparecem, após poucos anos, na forma de uma crise ainda mais profunda e aguda.

Buscando contrarrestar a crise cíclica de superprodução que já se iniciou, Donald Trump e o Senado ianque aprovaram um pacote de 2 trilhões de dólares para estimular a economia. Tal pacote será destinado a créditos para as empresas (das pequenas às grandes, principalmente às monopolistas) e de “mesada” para as famílias de aproximadamente 1,2 mil dólares com acréscimo de 500 dólares para cada filho, tentando, infecundamente, equilibrar o consumo e re-impulsionar a expansão da economia ianque.

Crise bate às portas dos monopólios

Um dos mercados que já sofre retração acelerada é o de smartphones. As vendas globais dessa mercadoria caíram 14% em fevereiro de 2020, segundo a Counterpoint Research, em relatório de 26/03. Essa queda é apenas o começo, pois não contabiliza a retração agudizada em março. “O pior ainda está por vir”, disse Jean Park, analista sênior da companhia.

No Brasil, a monopolista burocrática Petrobras anunciou no dia 26/03 que reduziu os investimentos programados para 2020, além de que cortou também a produção devido à queda brusca da demanda. A companhia também incluiu tomada de mais empréstimos, adiamento do pagamento de dividendos (parcela dos lucros aos acionistas) para dezembro e adiamento de novas contratações pelo menos nos próximos 90 dias. A queda dos investimentos foi de 3,5 bilhões de dólares. A previsão de investimento, que era de 12 bilhões de dólares, foi para 8,5 bilhões.

Segundo o Monitor do Comércio Mundial, da consultoria Capital Economics, de Londres, o comércio capitalista internacional perderá, neste ano, 25% de sua atividade, número superior à perda comercial durante a crise imperialista mundial de 2008. Ademais, segundo a revista Valor Econômico, o fluxo global de Investimento Estrangeiro Direto cairá de 30% a 40% em 2020.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza