Colômbia: 23 prisioneiros mortos e mais de 80 feridos em rebelião

A- A A+

Presos fazem rebelião em diversos presídios da Colômbia exigindo melhores condições, no dia 22 de março. Foto: Reprodução, El Tiempo

Ao menos 23 pessoas morreram e 83 detentos ficaram feridos em uma rebelião em um dos maiores presídios de Bogotá (Colômbia), o La Modelo, em meio à crise sanitária, econômica e social agudizada pelo novo coronavírus, no dia 22 de março.

Nesse dia, protestos e rebeliões foram organizados em diversos presídios pelo país contra as péssimas condições de saúde e a superlotação das cadeias. Ao menos 13 penitenciárias registraram revoltas, e há 32 detentos e 7 funcionários feridos no hospital, entre eles dois guardas que estão em estado grave.

A rebelião mais violenta desse dia foi registrada em La Modelo, na capital. Familiares dos detentos se reuniram do lado de fora da prisão, enquanto tiros eram disparados e colchões incendiados no interior da instituição. Os familiares, entre eles senhoras e senhores idosos, deficientes físicos e crianças, impedidos de ver os presos, resistiram bravamente às bombas de gás e barricadas da polícia.

Os vídeos que os próprios prisioneiros enviaram à imprensa e às famílias confirmaram a violência desatada pelas forças de repressão na capital, mas também em Medellín, Ibagué, Boyacá e outras cidades do país, como se fosse um campo de batalha. Anteriormente, os habitantes da capital ouviam rajadas constantes dentro da prisão. 

As 132 prisões da Colômbia têm capacidade para receber 81 mil presos, mas abrigam atualmente mais de 121 mil detentos, segundo dados do próprio Ministério da Justiça.

As grandes rebeliões nos presídios provocaram uma reunião de emergência entre forças de repressão, o Ministério da Justiça e da Defesa no dia 23. Entre as medidas estudadas pelo governo de turno está a instauração de uma “emergência carcerária no país”, que daria mais poder ao velho Estado para transferir detentos entre penitenciárias, isolar cadeias e solicitar auxílio de autoridades judiciais, sanitárias e de emergência para lidar com os confrontos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza