Alto Comando militar sinaliza apoio à substituição de Bolsonaro por Mourão

A- A A+

Alto Comando da Forças Armadas teria sinalizado apoio a Mourão em substituição a Bolsonaro. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo.

O Alto Comando das Forças Armadas (ACFA), em reuniões celebradas recentemente em Brasília, tem sinalizado apoio ao general Hamilton Mourão em substituição ao fascista Jair Bolsonaro. A informação, veiculada através principalmente do jornalista Afonso Benites no monopólio de imprensa El Pais, é de que os altos mandos da Aeronáutica, Exército e Marinha "sinalizaram ao vice-presidente que poderia contar com o apoio deles". O contexto é o de grande crise política gerada pelo Covid-19 e a forma como Bolsonaro busca conduzi-la.

Segundo o jornalista, "os militares têm feito seguidas reuniões em Brasília, inclusive com aliados de Bolsonaro e membros civis de seu primeiro escalão. Nesta semana, ao menos dois encontros ocorreram. Neles foram debatidos cenários hipotéticos para o médio e longo prazo".

A preocupação dos altos mandos militares, que têm conduzido um processo de golpe militar contrarrevolucionário através da ocupação de cargos no Executivo e no velho Estado em geral, é de que a má condução das políticas de enfrentamento da crise sanitária e econômica no contexto do Covid-19 gere uma explosão social.

Bolsonaro, que busca angariar capital político diante das massas populares (especialmente semiproletários, pequenos e médios proprietários que serão profundamente impactados pela crise econômica que se iniciou), espalha a ideia de que é necessário abrir a livre circulação de pessoas para reativar a economia. Com isso, busca isentar-se do inevitável descredito que acometerá o governo pelo debacle econômico que ocorrerá e, de quebra, culpar as demais instituições e monopólios de imprensa por tal fracasso, como se fosse resultado de uma conspiração para prejudica-lo.

O jornalista também traz à tona a preocupação do ACFA sobre uma radicalização de Bolsonaro. "Tem circulado em Brasília também a tese de que o presidente poderia dar uma cartada extrema e decretar um estado de sítio ou de defesa – ambos dependem de aprovação do Congresso Nacional, onde ele não tem maioria – e criam uma série de restrições de liberdade, de comunicação e a suspensão de garantias constitucionais. São atos radicais, mas que podem ser usados politicamente com base no discurso voltado para os seus, de que ele tenta ‘salvar o Brasil’, mas a velha política não o ajuda”. Segundo o El Pais, Mourão já conseguiu o apoio da Maçonaria, instituição burguesa reacionária, caso assuma.

Em recente entrevista ao jornalista reacionário José Luiz Datena, Bolsonaro, questionado se “seria capaz de dar um golpe e fechar o Brasil” ou “se jamais faria isso”, respondeu: “Olha Datena, quem quer dar um golpe jamais vai falar que vai dar, tá ok?”.

O golpe militar, coordenado pelo imperialismo ianque (Estados Unidos) e desatado em 2015 centralizadamente pelo ACFA através de pressões, coações e chantagens sobre as demais instituições (cujo principal mecanismo foi a Operação “Lava Jato”), conduziu, por força das circunstâncias, ao governo de coalizão entre a direita militar majoritária nos altos mandos e a extrema-direita, de Bolsonaro, com penetração nas tropas militares e auxiliares, e em parte das massas atrasadas.

Divergindo sobre qual sistema político de dominação impor (abertamente fascista e corporativo, de acordo com Bolsonaro, ou na forma demoliberal deformada, como propugna os generais), ambas as forças lutam por conduzir adiante o golpe que deve criar um novo sistema político, cada qual de acordo com seu projeto, ambos ultrarreacionários, que atacará os direitos das massas populares, restrição de direitos políticos e civis democráticos e maior militarização reacionária na sociedade.

O desfecho da situação, conforme têm analisado os Editoriais de AND, depende de qual o menor risco para a estabilidade do sistema de exploração e opressão. “O ACFA, também golpista, joga para submeter Bolsonaro politicamente, forçando-o a terminar o mandato em obediência às suas diretrizes de ‘legalidade, legitimidade, estabilidade’”, diz Editorial de AND 231, e prossegue:

“Caso ele não se submeta, um plano B provavelmente seria pressioná-lo a renunciar, deixar vir a público os seus podres e de seus filhos, tais como suas ligações com o sumido corrupto Fabrício, com o miliciano Adriano e com o assassinato covarde de Marielle, casos até agora trancados nas mãos dos generais para levá-lo se necessário ao processo de impeachment. E, em último caso, o ACFA pode produzir a pura deposição do presidente, fato que geraria comoções em vários setores e perturbaria gravemente a estabilidade, já bem delicada, da disciplina nas forças militares, cujas consequências seriam muito graves”, ressaltando, porém, que as Forças Armadas tendem a manter-se unidas com a submissão de uma força pela outra.

Outro elemento que o ACFA tem para sujeitar Bolsonaro – ademais de vinculação com os setores mais poderosos das classes dominantes locais, do imperialismo e domínio sobre o principal das forças militares – é a chantagem. “Bolsonaro, cada vez mais acuado, encontra-se algemado pelo manejo dos generais. A situação do filho, Flávio Bolsonaro (pego em flagrante delito e salvo de denúncia pelo acordo tácito entre extrema-direita e direita) obriga Bolsonaro a abaixar o tom”.

A destituição, renúncia ou impeachment de Bolsonaro, conduzindo o governo às mãos de Mourão seria, na prática, um grande passo à frente rumo à culminação do golpe militar contrarrevolucionário.

Ainda que tais reuniões sejam de fato preparação política dos generais para uma situação em que seja vantajoso partir para o “plano B” de pressionar à renúncia ou impeachment, provavelmente o principal objetivo do vazamento via imprensa, por parte dos generais, foi advertir Bolsonaro do seu isolamento para força-lo a retornar temporariamente às diretrizes do ACFA.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza