Abandonado pelo governo, povo promove saques em SP e RJ

A- A A+

Abandonado pelo governo em meio à profunda crise econômica, as massas do povo empreenderam saques em São Paulo e no Rio de Janeiro, no fim do mês de março.

Em São Paulo, para não passar fome, cerca de 20 pessoas saquearam mercadorias do supermercado Mini Extra, na avenida Amador Bueno da Veiga, no bairro Jardim Popular, no dia 25 de março. Segundo transeuntes, as massas entraram no mercado e se apropriaram das mercadorias. No mesmo dia 25, em outro ponto da capital paulista, outras pessoas saquearam um quiosque, ao lado do supermercado D’avó, na avenida São Miguel, na vila Jacuí, por volta das 20h.

Esses dois saques se juntam ao que ocorreu no dia 19 de março, no Roldão Atacadista, no Itaim Paulista, quando cerca de 30 pessoas entraram no local e levaram várias mercadorias. Neste caso parte das pessoas foram presas pela Polícia Militar (PM).

Desde o início da crise econômica e sanitária, a PM paulista vem desenvolvendo um esquema especial de policiamento, não para combater o coronavírus ou construir hospitais, mas com a finalidade principal de evitar saques a supermercados e grandes farmácias, visando proteger os lucros dos grandes capitalistas.

Tanto é essa a principal preocupação do governo Dória e da PM paulista que todas as operações policiais foram suspensas para que os militares possam se concentrar em reprimir a população mais pobre.

Outra medida repressiva do governo Dória foi o anúncio no dia 26 de março de que a Polícia Civil vai participar do policiamento ostensivo na capital e região metropolitana. Os policiais das equipes especializadas em crime organizado, narcóticos e do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania se juntarão agora à PM e à Guarda Municipal no combate ao povo.

Já no Rio de Janeiro, seis pessoas arrombaram a porta principal e entraram um supermercado em Honório Gurgel, na zona norte da cidade, na madrugada do dia 24 de março. Mesmo não estando armados e não tendo levado nada da loja, a PM prendeu um adulto e apreendeu cinco menores que participaram. Eles foram levados para a 40ª Delegacia de Polícia de Honório Gurgel.

Produtos caídos no chão do mercado após o saque na zona norte do Rio. Foto: Redes Sociais

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza