Itália: Moradores de bairros pobres saqueiam comida durante crise

A- A A+

Com o caos gerado pela crise de superprodução e do coronavírus na Itália, um dos países mais atingidos pela infecção, no último mês de março, muitos moradores de bairros pobres têm recorrido a saques em supermercados para ter o que comer.

De acordo com o monopólio da imprensa La Repubblica, na última semana de março, um grupo de moradores correu de um dos supermercados de Palermo sem pagar. “Nós não temos dinheiro para pagar, nós precisamos comer”, gritaram aos caixas. 

Outro jornal do monopólio da imprensa, Il Corriere della Sera, noticiou que em outras cidades da Sicília, onde pequenos proprietários ainda podem abrir seus negócios, eles estão sendo pressionados pela população a distribuir comida, uma vez que o povo não tem dinheiro para pagar.

Diante dessa situação, a resposta do Estado imperialista italiano foi a repressão. Foi enviada a polícia com bastões e armas para proteger os capitalistas da Sicília. Quatro policiais faziam segurança em frente às entradas de um supermercado em Palermo segundo um repórter da AFP.

Giuseppe Provenzano, ministro italiano que supervisiona as regiões do sul, disse ao La Repubblica: “Tenho medo de que as preocupações compartilhadas por grande parte da população - sobre saúde, renda, futuro - se transformem em raiva e ódio se esta crise continuar”. 

O Estado burguês italiano quer agora distribuir 400 milhões de vale-alimentação para o povo, mas ao mesmo tempo parece perceber que não é o suficiente. Com mais de 10 mil mortes, a economia do país está em colapso cada vez mais devido ao toque de recolher e ao fechamento de todas as empresas e fábricas não essenciais. Como resultado, milhões de pessoas não têm renda.

Os novos desempregados e estudantes que não se vêem formados e no mercado de trabalho tão cedo, durante a crise econômica, social e sanitária agudizada pelo novo coronavírus, estão sendo chamados pelo monopólio de imprensa e pela população em  geral como "os novos pobres".

Cestas solidárias com comida são colocadas por moradores em bairros pobres na Itália, no dia 30 de março. Fonte: Ciro de Luca, Reuters

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza