Hungria: Primeiro-ministro fascista governará por decreto

A- A A+

No dia 30 de março, o primeiro-ministro fascista Viktor Orbán, conquistou do parlamento (sob as desculpas de coronavírus) plenos poderes legislativos por tempo indeterminado. O Fidesz, partido de Orbán, já havia levado essa medida à votação, mas não conseguiu os quatro quintos necessários para a aprovação. Dessa vez, no entanto, conseguiram a almejada concentração absoluta de Poder político no Executivo.

A lei, além disso, prevê até oito anos de prisão para quem violar a quarentena, e cinco anos para quem compartilha informações que "atrapalhem a resposta do governo à pandemia" e, enquanto ela durar, referendos e eleições não poderão acontecer. O Estado também pode estender o “estado de emergência” sem limite de tempo.

Além do legislativo ter-lhe concedido a medida, o Judiciário é submetido a seu mando, já que todos os juízes que fazem parte da Corte Constitucional (equivalente ao Supremo Tribunal brasileiro) foram indicados entre 2010 e 2014, período da gestão de Orbán.

Orbán, que formula seu pretendido regime corporativo fascista como “democracia iliberal”, pode, com tal centralização absoluta de poder, cassar as liberdades democráticas quando bem entender, tendo alcançado tal poder autocrático, dentre outras coisas, pelo medo que as classes dominantes húngaras estão da crise geral de superprodução e do consequente e inevitável levantamento de massas.

Primeiro-minstro da Hungria, o fascista Viktor Orban. Foto: Bernadett Szabo / REUTERS

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza