Levantes populares, crise e pugnas: USA militarizará mais a América Latina

A- A A+

Grandes protestos tomaram conta de toda a América Latina, em 2019. Na foto, uma manifestação na província de Pichincha, no Equador. Foto: Rodrigo Buendia/AFP

O USA aprofundará sua presença militar na América Latina e no Brasil neste ano. Assim afirmou Craig Faller, chefe do Comando Sul do USA, após visita do “presidente” fascista Jair Bolsonaro no dia 8 de março. O oficial ianque recebeu o lacaio brasileiro na ocasião e tem afirmado que o governo Bolsonaro/generais tem dado “boas oportunidades” para o aumento da penetração imperialista.

O pano de fundo para tal penetração militar do USA é o aumento explosivo da insatisfação das massas populares no continente sul-americano, somada com a necessidade dos grandes capitalistas de impor maiores ataques a seus direitos para sair da profunda crise geral de decomposição e a atual crise de superprodução – situação que gerará fome, miséria, repressão, levantamentos populares violentíssimos e grande possibilidade de início de revoluções.

Além disso, há a disputa entre USA e China, agudizada também pelo contexto de crise mundial de superprodução em meio à crise de decomposição do imperialismo. A crise gera retração de mercados e, consequentemente, impulsiona as disputas violentas entre as potências imperialistas pelo domínio das colônias e semicolônias.

Uma das disputas, ademais, relaciona-se com a tecnologia do 5G, estratégica do ponto de vista comercial e militar. Para tal disputa, a China tem investido na região para fins espaciais, inclusive na Patagônia argentina. A tecnologia chinesa para o 5G, do monopólio Huawei, até agora é ofertada a preço mais baixo e maior qualidade que a tecnologia ianque.

“Nossos parceiros estão dispostos a contribuir sobretudo com encorajamento, investimentos e presença norte-americanos. Reconhecendo ameaças complexas, aumentaremos a presença militar no hemisfério o mais tardar neste ano. Isso inclui presença maior com navios, aviões e forças de segurança para reassegurar nossos parceiros e mostrar e provar a prontidão e interoperabilidade norte-americanas”, afirmou o ultrarreacionário, após ser perguntado sobre a situação na Venezuela durante intervenção no Senado do USA. O ianque afirma ainda que o USA não precisa investir mais do que a China, mas apenas fortalecer “a presença”.

A crise econômica mundial do imperialismo, profunda e em seu início, criará no mundo uma situação sem igual com sérios riscos de novos conflitos e guerras entre as potências imperialistas pelo controle de semicolônias.

A crise atual

Todos os especialistas sérios tratam de caracterizar a atual crise como algo muito mais sério que a crise de 2008 e, provavelmente, se tornará mais profunda do que a grande crise de 1929. Em 2008, a desvalorização do capital demorou três anos para encontrar seu ponto mais depressivo, números que a atual crise de superprodução alcançou após 15 dias.

Na atual crise, apenas 15 dias foi o período exigido para que o mercado ianque de ações atingisse o maior declínio da história: 20%. Ampliando o tempo de comparação, o estrago é bem maior. Em fevereiro de 2020, o Dow Jones, mercado relacionado à indústria, atingia quase 30 mil pontos (nível mais alto em 100 anos). Em 21 de março, segundo o monopólio de imprensa US Today, já acumulava uma queda impressionante de 35% – menos de um mês. Para fins comparativos, na grande crise de 1929, o mesmo mercado de ações caiu, em dois meses, 46,6%.

Os pronunciamentos temerosos dos grandes capitalistas são bastante elucidativos. O diretor executivo do monopólio da aviação, British Airways, Alex Cruz, afirmou se tratar a atual crise de uma “crise de proporções globais como jamais vimos”. E vai além: “Alguns de nós trabalhávamos na aviação durante a crise financeira global, o surto de Sars e o 11 de setembro. O que acontece neste momento, em decorrência da covid-19, é mais sério do que qualquer um desses eventos”.

Em 2019, prevendo já a atual crise, o banqueiro ex-chefe do Banco Central indiano e ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Raghuram Rajan, afirmou que a crise põe em “grave ameaça” a existência do capitalismo.

“Acho que o capitalismo está sob grave ameaça porque não conseguiu atender às necessidades de muitos, e quando isso acontece, há muitas revoltas contra o capitalismo”, afirmou, em programa de rádio da BBC. “Acredito que isso pode acontecer mais cedo do que se imagina”, lamentou.

Assim sintetizou, amedrontada ante a grande onda de levantes populares que se levantarão, a atual diretora-gerente do FMI no dia 3 de abril: “Agora estamos em recessão. É uma crise como nenhuma outra. Esta é a hora mais sombria da minha vida, uma grande ameaça para o mundo inteiro”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira